Festival de Cinema de Brasília tem sua primeira noite de competição

Protestos continuam marcando o festival

por

22 de setembro de 2016

2109206-mostra-competitiva-crd-junior-arago-21

Foto por Junior Aragão

Protestos voltaram a marcar a noite no cine Brasília. A segunda noite do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro teve filmes que passaram a ostentar o carimbo “Cinema Contra O Golpe” e a equipe do filme Rifle também subiu ao palco vestindo camisas com a frase. Antes da exibição do curta de animação Quando Os Dias Eram Eternos vieram os gritos de “Fora Temer”, seguidos de “Fora PT”.  Após um ligeiro bate boca e um grito “Aqui é cinema”, os ânimos pareceram acalmar.

otimo-amareloNa primeira noite com filmes em competição, o resultado foi abaixo das expectativas. O curta Ótimo Amarelo, de Marcus Curvelo, mostrou uma obra aquém de qualquer experimentalismo. Planos patéticos e uma trama pífia poderiam muito bem renomear o trabalho como “Fraco Amarelo”, o que faria todo o sentido. Prejudicado pela celeuma em seu começo, a animação Quando Os Dias Eram Eternos, de Marcus Vinicius Vasconcelos, mostrou maturidade no trabalho, enquanto as imagens trabalharam em harmonia com as emoções da história do filho que volta para casa nos últimos dias devida da mãe. Foi o melhor momento da noite.

quando-os-dias-eram-eternosO Longa gaúcho, Rifle, de Davi Pretto, veio cheio de pretensões. Buscou inspiração nos westerns, no olhar cru, em paisagens desoladas do Sul do país e provou ser um martírio, apesar dos seus 85 minutos.

rifleRifle desperdiça um bom tema: a busca pela posse da terra, numa região rural, e sua consequente exploração e esvaziamento. O filme pode até encontrar um paralelo em outra recente produção nacional, “Aquarius“. Rifle flerta com momentos de brilhantismo, mas essas faíscas se apagam, se diluem diante de uma direção perdida e irregular. Lamentável ver cenas que poderiam ir crescendo uma tensão e planos, que mostram uma fotografia acertada, irem por água abaixo diante das cenas seguintes.

rifleA escolha de não atores não é novidade no cinema nacional, mas isso é feito de forma que integrem o elenco a produção e o resultado seja imperceptível. Dois bons exemplos são os filmes “Cidade de Deus” e “Boi Neon”, para citar alguns. Entretanto, Rifle consegue cenas patéticas, sendo o clímax do horror uma entre mulheres numa rua na reta final da produção. Precisamos falar sobre Rifle, os problemas são muitos e não daria para citar todos aqui. Infelizmente, para a primeira noite de competição, Rifle foi um tiro no pé.