28º Cine Ceará: Debate sobre “Cabras de Merda” de Gonzalo Justiniano

Filme foi o segundo longa da competição principal

por

06 de agosto de 2018

28° Cine Ceará em Fortaleza: Debate sobre a 2° noite das Mostras Competitivas de curtas e de longas.

Segundo Longa da Mostra Competitiva principal: “Cabra de Merda” de Gonzalo Justiniano

Mediação por Maria do Rosário

Tradução do espanhol: Enrique Hernández. #cineceara2018 #cineceará #28cineceará #festivalcineceara @ Oásis Atlântico Imperial e Atlântico Fortaleza

Todos os vídeos abaixo são respondidos pelo diretor em espanhol e traduzidos logo depois pelo tradutor oficial dos debates, Enrique Hernández.

Perguntado sobre sua relação com a pátria onde nasceu, o Chile, e seu exílio na França durante a Ditadura, o diretor fala sobre as pesquisas e recuperação de material que ele próprio registrou durante a Ditadura e resgatou graças ao Museu da Memória que guarda todos os registros das vítimas:

Perguntado sobre os fatos reais e locações usadas no filme, como as favelas que lá são chamadas de “populaciones”, mais precisamente a populacione de “La Victoria”:

Perguntado pelo Almanaque Virtual através de seu correspondente e editor-chefe Filippo Pitanga, o diretor fala sobre a fusão que o filme contém entre sua origem como documentarista e seu trabalho com ficção, aprofundando sobre como é a base de pesquisa para composição dos personagens, especialmente por se tratar de famílias de vítimas cujos corpos de muitas delas jamais foram encontrados e o silêncio permanece por muito tempo — ao mesmo tempo em que ele teve de decidir o que mostrar e o que não mostrar, como as cenas de tortura e violência da Ditadura em meio ao tom mais lúdico anterior do filme: