O melhor do Festival de Veneza até agora…

Eis os filmes imperdíveis da seleção veneziana de 2018

por

31 de agosto de 2018

La noche de 12 años de Alvaro brechner sobre Mujica La noche de 12 años

Rodrigo Fonseca
Nada que se viu no Lido de quarta-feira pra cá tem o mesmo vigor estético de “ROMA”, um experimento memorialista de Alfonso Cuarón no qual o diretor de “Gravidade’ (2013) dá voz e vez à sua verve autoral mais ousada, narrando a crise de uma família de classe média nos anos 1970. Seu foco: o olhar de uma empregada ameríndia que vê aquele clã penar pra ficar de pé. É o favorito absoluto ao Leão de Ouro. Mas tem mais coisa boa por aqui pelo Festival de Veneza.
Eis melhor de terra da gôndola até agora:

La Noche de 12 Años, de Alvaro Brechner: O diretor de “Sr. Kaplan” (2014) viaja aos anos de chumbo do Uruguai para relatar o calvário do jovem Pepe Mujica, com Antonio de la Torre, um dos atores preferidos de Almodóvar, no papel do (futuro) ex-estadista latino. Sua montagem potencializa o clima de tensão sem comprometer o distanciamento crítico;

Nasce uma Estrela, de Bradley Cooper: Quem diria que o galã mais badalado da primeira metade desta década é um cineasta dos mais bem preparados? Eastwoodiano até a medula, com ecos do que o astro aprendeu filmando “Sniper americano” (2014), este drama de amor mostra que Lady Gaga é muito mais do que uma voz pop. Ah! E tem Sam Elliott, um gênio que Hollywood só passou a valorizar agora;

Deslembro, de Flavia Castro: Uma surpresa latina na competição Horizontes, estruturada como um inventário de cicatrizes da ditadura. A documentarista aclamada mundialmente por “Diário de uma busca” (2010) estreia na ficção atraindo a atenção dos jornalistas da Europa pela delicadeza com que retrata traumas políticos. O desempenho de Sara Antunes na pele de uma jovem mãe abalada por perdas afetivas foi elogiado em múltiplas línguas;

Non-Fiction, de Olivier Assayas: Sem perder a elegância que marca seu modo de exercitar as cartilhas de gênero, o premiado diretor de “Personal shopper” (2016) investe no humor, com resultados surpreendentes, abordando conflitos e vaidades do mercado editorial francês. Guillaume Canet, galã e cineasta, ajuda a valorizar a delicada escrita dramatúrgica de Assayas num roteiro de diálogos ferinos sobre um editor às voltas com neuroses do mundo digital;

Amanda, de Mikhaël Hers: Apoiado no talento do ator Vincent Lacoste, o diretor de “Memory Lane” (2010) faz um libelo sobre a reinvenção afetiva a partir do drama de um parisiense que se vê obrigado a cuidar de sua sobrinha após uma tragédia pessoal;

The Great Buster – A Celebration, de Peter Bogdanovich: Ao passar em revista a trajetória de gargalhadas e de aventuras autorais de Joseph Frank “Buster” Keaton (1895-1966), um dos gênios do riso na era muda, o realizador de “A última sessão de cinema” (1971) prova ser um documentarista antenado com as estéticas do presente. Mesmo só falando do passado…Com uma montagem vertiginosa, o filme é uma comovente carta de amor à cinefilia;

Peterloo, de Mike Leigh: Laureado com o Leão de Ouro em 2004 com “Vera Drake”, o bruxo do naturalismo britânico expôs as entranhas políticas de sua pátria ao revisitar o massacre que sujou as ruas de Manchester de sangue, em 1819, por decisão da aristocracia inglesa, a fim de evitar algo similar à Revolução Francesa em suas terras. O resultado é um épico cru, que atomiza protagonismos. A História é a estrela.