Fiu Fiu- Um Encontro entre Pássaros no 11o FENATIFS

Hoje é dia de assistir a estreia do expressivo grupo de Mato Grosso, integrante da Rede Brasil de Mapeamento

por

10 de outubro de 2018

Fiu FiuHoje é dia de assistir a estreia de um dos mais importantes espetáculos desta 11o edição do FENATIFS: “Fiu Fiu- Um Encontro entre Pássaros” do Grupo Tibanaré de Mato Grosso. O grupo tem uma grande atuação no cenário brasileiro e é um dos principais grupos que integram a Rede Brasil de Mapeamento. A participação do grupo no 11o FENATIFS é uma parceira entre a 1a Rede Brasil de Mapeamento e do FENATIFS; que acolheu nesta edição, este espetáculo, e também o espetáculo “Cantos de Encantos” da Cia Os Buriti de Brasília. Não deixem de assistir a este expressivo projeto de teatro e dança.

10 OUT (QUARTA)

09h30

Fiu Fiu – Um Encontro entre Pássaros – (Mostra Nacional) – Grupo Tibanaré – Cuiabá – MT

Classificação Livre (Indicação: a partir de 02 anos)

Ingresso: R$30 e R$15

Teatro do CUCA

Release: Depois de tanto voarem sozinhos, dois passarinhos são surpreendidos pelo destino brincalhão: Um encontro. Foi gorjeio a primeira vista. Unindo teatro, palhaçaria e dança, Fiu Fiu – Um encontro entre pássaros é um voar leve sobre um campo de possibilidades e traz para o público formas poéticas dos cortejos a moda antiga, numa linguagem simples que produz risos sinceros e suspiros sensíveis.                  

Sobre o grupo: O Grupo Tibanaré foi fundado como um coletivo de teatro em 2006, cujo elemento principal é o trabalho do ator e a sua relação com o espectador. Nesses onze anos de história, vem construindo uma estrada fértil pelo Brasil, mas sem perder seus encontros pelo interior de Mato Grosso, principalmente nos bairros de Cuiabá, atingindo mais de 100.000 pessoas com seus espetáculos, intervenções, capacitações e eventos como o Festival Zé Bolo Flô de Teatro de Rua e o Encontro: Florescendo Relações. Em meio a pouca incidência de programações culturais nas periferias de Cuiabá, o coletivo foi desenhando obras que dialogam com suas experiências de vida, de comunidade e da manifestação popular, universalizadas em treinamentos diários, aprimoramento das potencialidades e definindo uma identidade pessoal nas suas obras, concretizando-se como um grupo focado na investigação do palhaço, da poesia pessoal do ator-dançarino, do treinamento de ações físicas e vocais, experimentações, dialogo comunitário, do lirismo e da liberdade criativa e autoral.