42° Mostra de São Paulo: Indicações de filmes brasileiros

Filmes brasileiros multipremiados em Festivais internacionais e nacionais

por

18 de outubro de 2018

Minhas indicações para a 42° Mostra Internacional de Cinema de São Paulo

Em primeiro lugar, há vários filmes brasileiros na Mostra, ou de coprodução internacional com nossa participação, e muitos deles já chegam laureados! Outros, caso você queira se poupar um pouco para o Festival do Rio, irão reprisar no Festival, e talvez valha à pena esperar para ver nas competições principais no Rio.

Primeiro vamos às indicações multipremiadas:

1. Neville D’Almeida: Cronista da Beleza e do Caos de Mario Abbade

Não posso dar nota porque estou creditado na equipe do filme…acho antiético rankiar. Mas vale dizer que é um importante registro histórico sobre um cineasta brasileiro de peso. Teve passagem por vários Festivais Internacionais e brasileiros, como Rotterdam e Vitória, respectivamente.

Debate com Neville no Festival de Vitória:

http://almanaquevirtual.com.br/25-festival-de-cinema-de-vitoria-debate-sobre-neville-dalmeida-cronista-da-beleza-e-do-caos/

2. Ilha de Glenda Nicácio e Ary Rosa
(Coisa lindaaaaa. Ficou conhecido em Brasília como o Moonlight brasileiro)

Dos mesmos diretores do sucesso cult “Café com Canela”, este é outro dos filmes mais laureados no 51° Festival de Brasília, com os prêmios de melhor ator para Aldri Anunciação, melhor roteiro para Ary Rosa, e melhor filme de longa-metragem pelo júri do Prêmio Zózimo Bulbul.

Entrevista exclusiva do Almanaque Virtual com a diretora Glenda Nicácio:

http://almanaquevirtual.com.br/entrevista-com-glenda-nicacio-sobre-ilha/

Crítica do filme:

https://www.horizontesaosul.com/single-post/2018/09/21/A-IMAGEM-POR-TR%25C3%2581S-DA-IMAGEM

3. Los Silencios de Beatriz Seigner
(Fuckin BRILHANTE!)

Após estrear ovacionado em Cannes, já aqui no Brasil o filme concorreu e ganhou direção pelo júri oficial do 51° Festival de Brasília e melhor filme pelo Júri Abraccine da crítica (do qual Samantha Brasil fez parte ❤), além do prêmio informal e completamente extra-oficial que nós demos para a diretora de melhor filme URSAL da competição — por sua coprodução e membros da equipe advindos de inúmeros países da América Latina.

Entrevista exclusiva do Almanaque Virtual com a diretora:

http://almanaquevirtual.com.br/entrevista-com-beatriz-seigner-sobre-los-silencios/

4. Torre das Donzelas de Susanna Lira
(Filme político necessário)
Filme-resistência e de luta democrática que abocanhou o segundo prêmio mais importante do 51° Festival de Brasília: o Grande Prêmio do Júri oficial, o Troféu Candango de prata.

Crítica do filme:

http://almanaquevirtual.com.br/torre-das-donzelas/

Texto assinado pela diretora Emilia Silveira:

http://almanaquevirtual.com.br/consideracoes-sobre-torre-das-donzelas-por-emilia-silveira/

Debate sobre o filme:

http://almanaquevirtual.com.br/51o-festival-de-brasilia-debate-sobre-torre-das-donzelas-e-boca-de-loba/

5. Temporada de André Novais Oliveira
(GRACE DIVA ENGOLE O FILME E NOS DEVOLVE COM AMOR)
Após sua ótima estreia no Festival de Locarno, foi o filme que mais saiu premiado do Festival de Brasília, com as láureas pelo júri oficial de melhor filme, melhor atriz para Grace Passô, melhor fotografia e melhor direção de arte.

Entrevista exclusiva do Almanaque Virtual com o diretor:

http://almanaquevirtual.com.br/entrevista-com-andre-novais-sobre-temporada/

6. Tinta Bruta de Filipe Matzembacher e Marcio Reolon
(Vi em Berlim. Nossa!!! os diretores evoluíram da água pro vinho de Beira Mar pra esse aqui! Lindooooooo filme. Esteticamente e em termos de conteúdo. Ousado e sensual como muitos outros brasileiros não tiveram coragem nos últimos tempos. Acho q vai se tornar filme-fetiche de muita gente aqui, e digo isso no melhor dos sentidos)
Um de nossos filmes brasileiros que mais brilhou no Festival de Berlim, onde acabou abocanhando vários prêmios que este crítico que vos escreve, inclusive, previu: como prêmio Teddy de melhor filme de ficção da Competição na Mostra em que concorreu e o mesmo prêmio de fomento para ajudar na distribuição europeia que “Que Horas Ela Volta?” ganhou 2 anos antes. O filme também está na Competição principal da Première Brasil no Festival do Rio deste ano.

Crítica em vídeo em Berlim:

https://www.youtube.com/watch?v=wqcOxmbfOkU&t=7s

7. Sol Alegria de Tavinho Teixeira e Mariah Teixeira Guarani-Kaiowá
(Deliciosaaaa subversão pra quem embarcar na viagem. E amooooo os planos dentro dos planos com projeções em camadas das quais os personagens saem de uma e entram em outra com novas personalidades)
Filme-sensação do Festival Olhar de de Cinema em Curitiba, de onde saiu laureado com os prêmios de…..

Crítica do filme:

https://vertentesdocinema.com/2018/08/04/critica-sol-alegria/

8. Fabiana de Bruna Laboissière
(A personagem-título e fascinante, e interessante estudo espacial da personagem com seu caminhão e a estrada)
Documentário de um realismo poético protagonizado por uma caminhoneira trans que roubou o coração do Festival Olhar de Cinema de Curitiba, ganhando alguns dos principais prêmios da noite.

9. A Cidade dos Piratas de Otto Guerra

(Filme lisérgico e muito doido que consegue ser biografia da Laerte, do próprio Otto Guerra e de personagens da Laerte, principalmente o pirata rsrs. Brilhou na Competição do Festival de Gramado e ganhou inúmeros prêmios no Festival de Cinema de Vitória

Debate com Otto:

http://almanaquevirtual.com.br/25-festival-de-cinema-de-vitoria-debate-sobre-os-filmes-da-quinta-noite-competitiva/

10. Diamantino de Gabriel Abrantes e Daniel Schmidit (divertidíssimo, mas aviso logo que é humor cáustico e não funciona pra todos)

Crítica do filme

https://vertentesdocinema.com/2018/08/14/critica-2-diamantino/

11. O Barco de Petrus Cariry
(Aaaahhhhhh Petrus Cariry, o maior esteta artesão poético da imagem e do tempo no Brasil)

Crítica do filme:

https://vertentesdocinema.com/2018/08/06/critica-o-barco/

12. Domingo de Clara Linhart e Fellipe Barbosa

Filme bonito e bem atuado.

Debate com diretores:

http://almanaquevirtual.com.br/51-festival-de-brasilia-debate-dos-filmes-de-abertura/