7o Pequeno Grande Encontro de Teatro para Crianças de Todas as Idades

Um dos maiores encontros de teatro para a infância do Brasil tem início no próximo dia 15 no Teatro Guairinha

por

13 de março de 2016

FLYER-FACEBOOK

O maior Festival de Teatro para a infância e juventude do sul do Brasil, e um dos maiores do país, o Pequeno Grande Encontro de Teatro para Crianças de Todas as Idades dará início a sua 7o edição no dia 15 de março no Teatro Guaíra- Teatro Guairinha. Na abertura oficial do Encontro teremos o espetáculo da Cia Céu Vermelho “Histórias Brincantes de Muitos Amigos”, e em seguida teremos espetáculos de Curitiba, da Paraíba, do Rio de Janeiro, da Argentina e do Chile. Além de mesa redonda com as cias participantes do festival, e debates com importantes nomes do cenário nacional e sulamericano. Um Festival que se propõe a receber amigos com bastante carinho e afeto. Onde todos que chegam são acolhidos como um grande abração, tanto na sede da Cia, como também na casa da diretora Letícia Guimarães e de seu marido Blas Torres, uma afetuosa extensão da sede. Uma Cia que respira teatro por todos os poros e faz do pequeno – em tamanho e programação -, um grande encontro de artistas diferenciados, com técnicas múltiplas, e que dialogam com um imenso respeito no universo da criança e do adolescente. Através de conversas, mesas, discussões, bate papo, troca e intercâmbio de ideias que fervilham e se espalham por cada um dos pedacinhos por onde passa o PGE.

COMPANHIAS PARTICIPANTES

COMPANHIA DO ABRAÇÃO – CURITIBA: A Cia do Abração é um espaço de arte e cultura, fundado em 2001, por Letícia Guimarães e tem como proposta principal a pesquisa e produção teatral para todas as idades, embasados em dramaturgia própria e difundidas como espetáculos de repertório. Sua proposta estética está alicerçada na fusão de linguagens artísticas elaborada em investigações advindas de processos colaborativos. Além da dança e das artes visuais, trabalha e investiga as técnicas de manipulação de objetos, mímica, produção sonora e conhecimentos da antropologia.

CÉU VERMELHO – CURITIBA: A Céu Vermelho é uma Produtora de Artes que surgiu em 2007 da necessidade de pesquisar universos visuais aparentemente irreconciliáveis: seu objetivo principal é a montagem de espetáculos cênicos que permitam uma aproximação estética com a linguagem cinematográfica. Seja no uso de luz, na concepção sonora, nos temas abordados ou na pesquisa cênica, o que se busca é a investigação de novas possibilidades, a cumplicidade de universos bastantes distintos, permeando o desvendamento de novos olhares.

MORORÓ CIA. DE TEATRO – PARAÍBA: Sediada em Campina Grande/PB, a Mororó Cia. de Teatro dedica-se à pesquisa do Teatro para a Infância e Juventude agregando alguns aspectos da cultura nordestina como danças, música, poesia e artesanato além de técnicas como a contação de histórias, abstração de objetos e a fisicalidade presentes no Teatro para Crianças. Seu primeiro espetáculo “Mororó e a Vaquinha” estreou em junho de 2015 na Sala Paulo Pontes do Teatro Municipal Severino Cabral em Campina Grande/PB, abordando temas como a ambição e o respeito à natureza.

CIA BOTO VERMELHO – RIO DE JANEIRO: A Cia. Boto-Vermelho é formada pelo autor Roger Mello, os dramaturgos Regina Schöpke e Mauro Baladi e o ator, encenador, produtor, cineasta, diretor de arte, desenhista de luz, cenógrafo Ricardo Schöpke. A escrita cênica da companhia é inspirada nos conceitos desenvolvidos pelo encenador e dramaturgo Bertold Brecht, em seu teatro épico e dialético. Desde 1995 a Cia. dedica-se ao teatro para crianças, encenando os espetáculos “Uma História de Boto-Vermelho”, “O País dos Mastodontes”, “Sapatinhos Vermelhos”, “Curupira”, “Um Pequeno Príncipe” e “Ah, Cambaxirra se eu Pudesse!”.

GRUPO DE TEATRO BUENOS AIRES – ARGENTINA: Nasce em 1983, com o apoio da Universidade Popular de Belgrano. Ao longo destes anos (1983-2014), o GTBA estreou vinte e cinco espetáculos para crianças. A busca sempre foi a de um teatro de autor, com conteúdos que atendam aos interesses profundos da criança, com temáticas reconhecíveis às suas experiências e nível de amadurecimento, em que as possibilidades de identificação sejam as regras que guiam nossas ações.

CIA. TEATRO DE OCASIÓN – CHILE: O Teatro de Ocasión foi fundado em 2001 dedicando-se a uma linguagem que mescla Teatro, Música e Cultura Popular. Desde 2010 se dedicam por completo à criação de espetáculos de teatro e música para a primeira infância. Com o espetáculo “Una Mañanita Partí…” percorrem, além do Chile, países do mundo inteiro, como México, Brasil, Bosnia, Alemanha e Canadá. Organiza, desde 2013, o “Festival de Ocasión”, mostra Ibero-americana de Artes Cênicas para a Primeira Infância, instância única no Chile.

APRESENTAÇÕES

DATA: De 15 a 20/03/2016– de terça a domingo.

HORÁRIOS: De Terça a Sexta:- APRESENTAÇÕES DIRIGIDAS A ESCOLAS

Sábado e domingo: às 16h – Apresentações abertas ao público

LOCAL: Guairinha – Rua XV de Novembro, nº 971 – Centro.

Curitiba – PR, 80510-030 Fone: (041) 3304-7900 / 3304-7999

 

MESA REDONDA

DATAS: 21/03, com grupos participantes do Festival.

HORÁRIOS: das 09h às 12h

LOCAL: Sala Raul Cruz – Cia do Abração

Rua Paulo Ildefonso Assumpção, 725 – Jardim Social.

Curitiba – PR – Fone: (041) 3362-9595

ENTRADA: FRANCA

 

BATE PAPO

DATAS: 21/03, com Ricardo Schöpke, Dib Carneiro, Bebê de Soares, Gabriel Guimard, Maria Inés Falconi e companhias teatrais convidadas.

HORÁRIOS: das 13h às 17h

LOCAL: Sala Raul Cruz – Cia do Abração

Rua Paulo Ildefonso Assumpção, 725 – Jardim Social.

Curitiba – PR – Fone: (041) 3362-9595

ENTRADA: FRANCA

 

RESUMO DOS ESPETÁCULOS DO FESTIVAL

HISTÓRIAS BRINCANTES DE MUITOS AMIGOS – DIA 15/03, terça-feira às 10h, 14h30 e 20h.

Cia. Céu Vermelho / PR

01_MUITOSAMIGOS

Sinopse – Tarsila, envolvida pelo universo das cores, quer ser pintora e brinca com as cores. Cecília brinca de construir palavras, cria sonhos e quer ser poeta. Tom descobre o mundo através dos sons e seus dedos inventam tons. Três grandes nomes da cultura nacional envolvidos por brincadeiras que levam à arte, apresentando com sensibilidade e poesia a amizade e a alegria de conviver juntos num mesmo quintal, num lugar chamado Brasil.

Ficha técnica

Direção: Letícia Guimarães

Dramaturgia: Criação coletiva sob a supervisão de Letícia Guimarães

Cenografia e Iluminação: Blas Torres

Figurinos e Adereços: Guga Cidral

Sonoplastia, composição e direção musical: Karla Izidro

Elenco: Edgard Assumpção, Juliana Cordeiro e Karin Oniesko

Duração: 50min – Classificação – Livre

 

MORORÓ E A VAQUINHA – DIA 16/03, quarta-feira às 10h, 14h e às 15h.

Cia. Mororó / PB

02_MORORO

Sinopse – Inspirados na sabedoria das lendas indígenas e na cultura popular nordestina, apresentamos o espetáculo “Mororó e a Vaquinha”. Mororó ou Pata de Vaca é uma árvore do Cariri do Brasil e na nossa história Mororó é um índio Cariri que tem uma vaquinha de patas mágicas, chamada Tutuia. Mororó e Tutuia conhecem Antônio Manoel Martins, um homem branco que lhes propõe algo que mudará suas vidas. O que será que um indiozinho tem em comum com a árvore Pata de Vaca?

Ficha técnica

Direção, Concepção e Atuação: Simão Cunha.

Iluminação: Izabelle Marques

Figurino: Evarista de Almeida

Duração: 40min – Classificação – Livre

 

KARTAS DE UMA BONEKA VIAJANTE – DIA 17/03, quinta-feira às 10h e às 14h30

Cia do Abração / PR.

03_KARTAS

Sinopse – O espetáculo narra o encontro de um desiludido escritor, com uma criança que chora por que perdeu sua boneca. Para alegra-la, inventa uma história dizendo que a boneca não havia se perdido, que estava apenas viajando. Resolve, então, criar cartas imaginárias escritas pela boneca, endereçadas à menina, contando sobre as aventuras em suas viagens, transformando-se, assim, em um carteiro de bonecas viajantes. Tal inusitada situação teria acontecido com o escritor Franz Kafka, um ano antes de sua morte, segundo relatos de sua companheira Dora Dymant. Tais cartas nunca foram encontradas, mas constituem um dos mistérios mais belos da narrativa do século XX e nos motivaram a imaginá-las e recriá-las, através desta proposta cênica.

Ficha técnica

Direção: Letícia Guimarães

Dramaturgia: Criação coletiva sob a supervisão de Letícia Guimarães

Cenografia: Blas Torres e Élio Chaves

Iluminação: Blas Torres e Edgard Assumpção

Figurinos e Adereços: Guga Cidral

Sonoplastia, composição e direção musical: Karla Izidro.

Elenco: Blas Torres, Juliana Cordeiro e Kamila Ferrazzi.

Duração: 50min – Classificação – Livre

 

CURUPIRA – DIA 18/03, sexta-feira, às 10h e às 14h30.

Cia Boto Vermelho / RJ

05_CURUPIRA

Sinopse – O espetáculo Curupira, escrito por Roger Mello, um dos mais talentosos e premiados autores e ilustradores de sua geração, situa o seu enredo em uma mata fechada, do interior de Minas Gerais, numa noite de lua cheia, no momento em que dois irmãos estão na companhia de estranhos personagens da região: o Velho da Mata, a Velha da Embolada, a Mariposinha e de gritos e assovios, que prenunciam a presença de um curupira pelas redondezas. Diz a lenda que Curupira faz caçador se perder na mata em dia de sexta-feira!!! Um assobio aqui, outro mais adiante e quando se vê… Não tem mais jeito. Não tem mais volta. É assim o Curupira: protetor de um lado, assustador do outro. Meio bicho, meio gente, meio assombração – se é que pode haver três meios.

Ficha técnica

Dramaturgia e pesquisa musical: Roger Mello

Encenação, direção de arte, direção de movimento, arquitetura de luz, cenografia e pesquisa musical: Ricardo Schöpke

Elenco: Ricardo Schöpke, Chiara Santoro e João Garrel

Direção musical, músicas compostas e canto: Chiara Santoro.

Percussionista e músico: Carlos Poubel

Figurinos: Mauro Leite

Confecção dos títeres e sombras: Alzira de Andrade

Manutenção de títeres: Marcio Newlands

Técnico de luz e operador: Rodrigo Lopes

Produção e realização Cia Boto-Vermelho

Classificação – Livre

 

PEREZ / GIL, PIRATAS – DIA 19/03, sábado às 16h.

Cia. Buenos Aires / Argentina

Argentino 20016

Sinopse – “Perez / Gil, Piratas” é a história de um pirata falhou (Gil) e seu papagaio cético (Perez). Gil quer voltar para o mar e a seu antigo ofício, mas a vida moderna o tem impedido. Não que não haja mais piratas, mas eles adquiriram novas características, as quais Gil rejeita com fervor. Detestaria se tornar um pirata cibernético, muito menos um Pirata de Asfalto. “Perez / Gil, Piratas” conta os avatares e dificuldades que o pirata e seu papagaio devem percorrer para transformar seu pequeno bote, o único que conservaram, em um poderoso navio pirata. Com muito humor e não menos ternura, Gil, o pirata, e Perez, seu papagaio, navegam pelo mar do afeto e da amizade.

Ficha técnica

Direção: Carlos de Urquiza

Dramaturgia: María Inés Falconi

Elenco: Claudio Provenzano, como o Loro Pérez e Carlos de Urquiza, como o Pirata Gil.

Cenário: Carlos Di Pasquo

Música: Diego Lozano

Técnico: María Inés Falconi.

Classificação – Livre

 

UNA MAÑANITA PARTÍ – DIA 19/03, sábado às 16h.

Cia. Teatro Ocasión / Santiago/Chile

07_MANANITA_CHILE

 

Sinopse – Ana decide viajar e para conseguir isso, é auxiliada por Gaspar e acompanhada por Oliver. Em sua jornada, vai descobrindo o que vive na natureza; sol, flores, borboletas e vários lugares. Vemos Ana ordenhar uma vaca no campo, voando com um grande pássaro no deserto. Tecidos, baldes, funis e cordas, apoiam esta viagem e magicamente ganham vida. Música, sons e canções ao vivo – guitarra, clarinete, instrumentos de percussão e efeitos – são o texto da peça. Esta combinação de elementos faz de “Uma Mañanita Parti…” um show intimista e cativante.

Ficha técnica

Direção: César Espinoza Araya (Teatro de Ocasión), Ana Gallego y Ángel Sánchez (Teloncillo Teatro).

Criação, Atuação e Música ao vivo: María Fernanda Carrasco Blancaire, Álvaro Sáez Ramírez e César Espinoza Araya.

Figurino: Daniel Bagnara Mena.

Cenário: Joel Viera López, Belén Abarza Castillo.

Som: Daniel Pierattini.

Classificação – Livre

 

MESA – REDONDA:

Será realizado um encontro de discussão entre as Companhias participantes, com foco no fazer teatral dirigido à criança. Este encontro acontecerá na segunda-feira, dia 21 de março, das 9h às 12h, na Sala Raul Cruz, da Cia. do Abração, gratuitamente aberto ao público e terá a mediação e participação dos seguintes convidados e palestrantes:

Maria Inés Falconi: É escritora e dramaturga argentina. É coordenadora de oficinas de Expressão Teatral para crianças e jovens da escola de Teatro da Universidade Popular de Belgrano. Dirige o projeto de autogestão e montagem do Teatro-Taller La Mancha para jovens. Tem participado como palestrante em seminários sobre dramaturgia Infantil na Universidade Popular de Belgrano, na Universidade Central de Caracas, na Universidade de Maracaibo – Venezuela, na República de El Salvador dentre outros. É representante da ASSITEJ INTERNACIONAL – Associação Internacional de Teatro para Infância e Juventude.

Ricardo Schöpke: Atuou como crítico de teatro infantil e juvenil no Jornal do Brasil, enviado especial na cobertura dos mais importantes festivais de teatro do país, como o Festival de Curitiba, MITA, FITO, MITI, Festival Internacional de Teatro de São Paulo, entre outros. Atualmente é crítico especializado e curador de festivais de teatro.

Gabriel Guimard: ator, palhaço, diretor da companhia de teatro Megamini da Cooperativa Paulista de Teatro e pesquisador das artes para infância. Trabalhou durante cinco anos na Cia. francesa Philippe Genty. É fundador da Rede Cultura Infância e um dos fundadores do Centro de Referência do Teatro para Infância, do Fórum Permanente de Culturas Populares e do Fórum Paulista Cultura da Criança. É idealizador do Portal Cultura Infância.

Dib Carneiro: É hoje um dos mais ativos críticos de teatro infanto-juvenil do País, função que exerce desde o início dos anos 1990. Atualmente, mantém uma coluna semanal virtual de críticas de teatro infantil no site da revista Crescer, da editora Globo. Como dramaturgo, ganhou o Prêmio Shell de melhor autor em 2008, por Salmo 91. Também é autor das seguintes peças encenadas: Adivinhe Quem Vem para Rezar, Depois Daquela Viagem, Crônica da Casa Assassinada, Um Réquiem para Antônio e Pulsões. É autor dos livros A Hortelã e a Folha de Uva (ed. DBA), de crônicas afetivo-gastronômicas sobre sua ascendência libanesa, e de Pecinha É a Vovozinha (ed. DBA) e Já Somos Grandes (ed. Giostri), ambos com críticas e reflexões sobre a produção de teatro infantil em São Paulo. Lançou, em outubro de 2014, seu primeiro livro de poemas, Dia de Ganhar Presente, pela editora Íthala.

Bebê de Soares: uma das fundadoras do Armazém do Teatro, é atriz, coreógrafa, bailarina e arquiteta, além de assinar a direção de arte de inúmeros balés e peças de teatro, entre eles “Papais e Ovos” de Heleen Verburg, e “O Pequeno”, de Suzanne van Lohuizen. Trabalhou como atriz em Colônia, na Alemanha, onde participa de várias produções sob a direção de Arno Kleinofen, entre elas “Das Besondere Leben des Hilletje Jans”, de Ad de Bont, e “Leonce e Lena”, de G. Büchner. Entre suas participações premiadas está “Der Junge im Bus”, de Suzanne von Lohuizen, que ganhou o Prêmio de melhor peça do ano, categoria teatro infanto-juvenil, na cidade de Colônia. Outro espetáculo que merece destaque é “Kinderjahre” (Anos de criança), de Roel Adams, que conquistou prêmio de melhor encenação do mês do Estado de NRW. É fundadora e diretora artística do Canal Curumim, da Amazonas Network, com sede no Chile, que atua em diversos países, principalmente na Alemanha e no Brasil e a partir de 2011.

HOMENAGEADO

Ilo Kruglidiretoratorartista plástico e escritor. Uma das principais figuras do teatro para crianças no Brasil é também o fundador de um dos mais importantes grupos teatrais da história artística do Brasil – A Cia Vento Forte.

 

CONTATO:

CIA. DO ABRAÇÃO

3362-9595 – 3362-9438

Rua Paulo Ildefonso Assumpção, 725.

abracao@ciadoabracao.com.br

www.ciadoabracao.com.br

Assessoria de Imprensa

Isabelle Neri Vicentini