‘A Família Dionti’

Filme é uma das estreias desta quinta-feira, dia 13.

por

12 de abril de 2017

A fala mansa e o jeito delicado de lidar com o mundo da gente do interior fica a cada dia mais distante da realidade cínica e imediata das grandes cidades. O jovem da cultura da roça é quem mais exibe essa necessidade de um mundo mais próximo da essência poética. Ele é retratado em “A Família Dionti”, que estreia nesta quinta-feira nos cinemas, com adolescentes bem distantes dos smartphones.

Longa-metragem é dirigido por Alan Minas.

Longa-metragem é dirigido por Alan Minas.

O longa rodado no polo de cinema da Zona Mata Mineira e recebeu apoio internacional do Tribeca Film Institute, conta a história de Kelton (Murilo Quirino), que vive com o pai Josué (António Edson) e o irmão Serino(Bernardo Santos). A mãe, logo saberemos, não está entre eles, ou pelo menos, em carne e osso. Trata-se de uma trama de realismo fantástico em que a rotina da vida interiorana vai sendo quebrada pelo destino mágico de seus personagens.

A vida de Kelton é sacodida pela chegada do circo à cidade, o circo que representa a fantasia em sua forma mais primitiva, trazendo a garota Sofia (Anna Luiza Marques). Kelton se apaixona e começa, literalmente, a se derreter de paixão. Um destino que se revelará bem familiar.

O diretor Alan Minas mergulha a trama na pureza de Kelton e Sofia, para revelar a fantasia e a paixão, e nos medos do pai Josué e do irmão Serino e dos professores da escola de Kelton, para tocar em questões humanas.

O elenco, fiel ao universo mágico e à delicadeza das coisas do interior, está afinadíssimo com a proposta. Em destaque o garoto Murilo Quirino com um papel difícil em que nem sempre necessita de palavras para dizer o quanto ama, o quanto sofre.

A Família Dionti, em sua simplicidade, nos lembra que o cinema brasileiro quando evoca o interior do país, acerta na originalidade, sem precisar importar modelos. É iniciativa bem-vinda e que já nos deu as obras de Mazzaropi e “A Marvada Carne”, filmes do Brasil profundo, no melhor dos sentidos.

Avaliação Ana Rodrigues

Nota 4