A Intrometida

Susan Sarandon rouba a cena no novo longa de Lorene Scafaria com o seu já conhecido talento

por

04 de agosto de 2016

Quem nunca se sentiu sufocado (a) pela própria mãe? Este é o caso de Lori (Rose Byrne, de “X-Men: Primeira Classe”), uma roteirista bem-sucedida que tem a vida invadida por sua mãe Marnie Minervini (Susan Sarandon), uma recente viúva que se muda para Los Angeles para ficar perto da filha. Após um doloroso término de relacionamento, a companhia da mãe grudenta é tudo o que Lori menos deseja, o que faz com que Marnie procure outras pessoas para ajudar e acabe mudando a sua vida. É desta premissa que parte a diretora e roteirista Lorene Scafaria na dramédia com toques de romance “A Intrometida”.

A Intrometida1

O distanciamento de Lori, que vai para Nova York gravar um piloto de série, acaba sendo muito positivo para Marnie, já que ela se vê obrigada a encontrar novas atividades que não sejam telefonar, mandar inúmeras mensagens, fazer visitas inesperadas e dar conselhos não solicitados à filha. Otimista incurável e dona de uma enorme generosidade e conta bancária deixada pelo falecido marido, Marnie passa a preencher seu tempo livre ajudando outras pessoas à sua volta, sejam elas conhecidas ou não. Todo o seu amor maternal, recusado momentaneamente por Lori, se transforma em grandes benefícios para quem estiver precisando dele e para ela mesma. A eterna Louise de “Thelma & Louise” dá à sua personagem toda a profundidade necessária e carrega o filme nas costas, inclusive realizando a narração do seu cotidiano no primeiro terço da projeção – que é, na verdade, parte das mensagens de voz deixadas na caixa postal da filha.

A Intrometida2

O personagem de J.K. Simmons (“Whiplash – Em Busca da Perfeição”) entra na trama não apenas para dar à protagonista um novo amor, como também para ajudá-la a superar o passado e marcar definitivamente a mudança em sua vida. Ainda que “The Meddler” (no original) faça uso de muitos clichês e possua certa previsibilidade no roteiro, Scafaria consegue realizar um filme com o qual boa parcela do público feminino (e até masculino) vai se identificar e se emocionar. A cineasta do bem recebido “Procura-se um Amigo para o Fim do Mundo” conseguiu novamente traduzir sentimentos que todos já experimentaram ao menos uma vez na vida de maneira delicada, com pitadas de humor que despertam ainda mais a simpatia no espectador.

 

A Intrometida (The Meddler)

EUA – 2016. 102 minutos.

Direção: Lorene Scafaria

Com: Susan Sarandon, Rose Byrne e J.K. Simmons.

Avaliação Raíssa Rossi

Nota 3