Alguns dos Melhores Filmes Brasileiros na História

Confira alguns clássicos novos e pregressos

por

02 de agosto de 2019

Screenshot_20190802-090328_Gallery

À luz da defesa da Ancine e do Cinema Brasileiro, vamos fazer agora uma listinha para celebrar NOSSA CULTURA, SIM, que é o que todos amamos, evidente!

Vamos conferir, em ordem aleatória, alguns dos maiores clássicos do tempo recente e pregresso:

“Quando Eu Era Vivo” de Marco Dutra

“KBela” de Yasmin Thayná

“Aquarius” de Kleber Mendonça Filho

“Mate-me, Por Favor” de Anita Rocha da Silveira

“Clarissa ou Alguma Coisa Sobre Nós Dois” de Petrus Cariry

“Era o Hotel Cambridge” de Eliane Caffé

“Guerra do Paraguay” de Luiz Rosemberg Filho

“Elena” de Petra Costa

“A História da Eternidade” de Camilo Cavalcante

“Ralé” de Helena Ignez

“Quintal” de André Novais Oliveira

“Ventos de Agosto” de Gabriel Mascaro

“Minutos Atrás” de Caio Soh

“Durval Discos” de Anna Muylaert

“Bicho de Sete Cabeças” de Laís Bodanzky

“Lavoura Arcaica” de Luiz Fernando Carvalho

“Amor Maldito” de Adelia Sampaio

“Eles Não Usam Black-Tie” de Leon Hirszman

“Copacabana Mon Amour” de Rogerio Sganzerla

“Alma No Olho” de Zózimo Bulbul

“Os Homens Que Eu Tive” de Tereza Trautman

“Compasso de Espera” de Antunes Filho

“A Casa Assassinada” de Paulo César Saraceni

“Terra em Transe” de Glauber Rocha

“Os Fuzis” de Ruy Guerra

“Matar Ou Correr” de Carlos Manga

“Ganga Bruta” de Humberto Mauro

“Limite” de Mario Peixoto

Gente, a lista não é exaustiva não, hein? Nem categórica, nem hierárquica:

Screenshot_20190802-090342_Gallery

Há mil filmes maravilhosos, que todos amamos igualmente e poderiam estar figurando no topo desta lista, ou clássicos imperdíveis, novos e antigos: de “A Misteriosa Morte de Pérola” de Guto Parente e Ticiana Augusto Lima, “Branco Sai, Preto Fica” de Adirley Queirós a “O Ébrio” de Gilda de Abreu, de “A Entrevista” de Helena Solberg a “Mar de Rosas” de Ana Carolina.
De “As Sete Vampiras” (o nosso equivalente a Rocky Horror Picture Show e Little Shop Of Horrors) de Ivan Cardoso e “Mulher, Mulher” de Jean Garrett (filme que subvertia a pornochanchada, dando todo o poder à protagonista de ironizar a paixão tanto de homens, quanto de mulheres por ela, como só o olhar incrivelmente fotográfico de Garrett poderia)

#ValorizeOCinemaBrasileiro
#CinemaBrasileiro
#DiaDoCinemaBrasileiro

Screenshot_20190802-090355_Gallery