“Axé: Canto do Povo de um Lugar”

Uma das estreias desta quinta-feira, dia 19, documentário aborda a evolução do axé music.

por

17 de janeiro de 2017

Numa época em que o povo brasileiro tende a ignorar as mazelas que há décadas assolam o país para curtir a Folia de Momo em sua plenitude, numa espécie de recesso mental, o trio elétrico invade o cinema com “Axé: Canto do Povo de um Lugar” (2017). Dirigido por Chico Kertész, o documentário é uma das estreias desta quinta-feira, dia 19.

 

Um dos gêneros musicais mais populares do Brasil, responsável por colocar Salvador entre os destinos mais procurados durante o carnaval, o axé se popularizou de fato nos anos de 1980 com Luiz Caldas. O sucesso de “Fricote” após uma apresentação no “Cassino do Chacrinha” (1982 – 1988) foi um divisor de águas não apenas para o gênero, mas para o músico, considerado por Caetano Veloso “o primeiro filho” do axé.

 

Esmiuçando a trajetória de artistas e bandas ao longo das últimas décadas, o documentário aborda ainda o papel essencial da mídia neste processo de ascensão. Durante muitos anos, o “Cassino do Chacrinha” funcionou como termômetro para a música brasileira ao conceder espaço para músicos de todos os gêneros musicais em seu programa. Ou seja, se o Velho Guerreiro gostasse e o auditório abraçasse o artista, o sucesso estava garantido em todo o país. Com a morte de Abelardo Barbosa, outro comunicador assumiu esta responsabilidade: Fausto Silva em seu “Domingão do Faustão” (desde 1989), mas não com a mesma força e irreverência de Chacrinha.

Trios elétricos transformaram músicas em estrelas (Foto: Divulgação).

Trios elétricos transformaram músicas em estrelas (Foto: Divulgação).

Com depoimentos dos músicos sobre os seus mais variados objetivos desde os tempos de anonimato, a produção mostra com afinco o crescimento vertiginoso dos trios elétricos que reúnem milhões de pessoas todos os anos em Salvador e todo o seu poderio junto ao público – “nenhum de nós chegaria aonde chegou se não fossem os blocos de carnaval”, admite Ricardo Chaves. O estrelato, as brigas e separações também surgem na tela, assim como a sinceridade de um dos maiores nomes do carnaval baiano, Durval Lélys, do Asa de Águia, sobre ter começado a carreira pensando no assédio feminino: “Você vê aqueles olhos lindos, aquelas bocas, bundas e corpos… Isso para mim é o Carnaval”.

 

Cada vez mais enfraquecido devido à invasão sertaneja e, mais recentemente, do funk carioca, o axé music sempre foi vítima de preconceito, sobretudo, por parte de roqueiros. Mesmo assim, driblou o preconceito e a falta de união entre artistas e bandas – “Cada um por si e Deus pelo axé. Nunca houve união”, afirma Netinho, apesar de Ivete Sangalo dizer que nunca passou por tal situação –, para ultrapassar fronteiras.

Ivete Sangalo se tornou um dos maiores nomes da música brasileira (Foto: Divulgação).

Ivete Sangalo se tornou um dos maiores nomes da música brasileira (Foto: Divulgação).

Em meados dos anos de 1990, o Olodum chamou a atenção de Paul Simon e Spike Lee, que trouxe Michael Jackson ao Brasil para gravar o clipe de “They Don’t Care About Us”. Estas parcerias abriram caminho para que, além do Olodum, dois fenômenos se estabilizassem no mercado internacional: Daniela Mercury e Ivete Sangalo, responsável por reerguer a Banda Eva e um dos maiores nomes da música brasileira. Transformada em popstar em sua carreira solo, a cantora chegou a um patamar altíssimo se comparada aos outros. Além de ser aclamada em terreno roqueiro em plena Cidade do Rock, no Rock in Rio 2011, Sangalo lotou o Madison Square Garden e o Maracanã, cujo show foi lançado posteriormente em DVD e ultrapassou até mesmo o U2 em vendas, tornando-se o mais vendido daquele ano.

 

Independente do espectador gostar ou não de axé music, “Axé: Canto do Povo de um Lugar” é um registro rico sobre a evolução de um gênero musical devido às diferentes influências e inserções de elementos novos com a ascensão de cada artista ou banda, mas mantendo intactas suas raízes no samba e na cultura africana.

Avaliação Ana Carolina Garcia

Nota 4