Balanço do Terceiro Dia no 50° Festival de Brasília

Aclamação popular de "Café com Canela", forte candidato a prêmio do público

por

20 de setembro de 2017

A noite de Mostra Competitiva do terceiro dia de Festival trouxe uma catarse coletiva que ajudou a curar as impressões racistas sentidas com o filme “Vazante” na primeira noite no 50° Festival de Brasília do Cinema Brasileiro.

Havia um prenúncio pairando no ar…
Um clima de mudança… Claro, é a 50° edição de aniversário do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro.
Poderia não significar nada, ou significar tudo.
Quando houve o debate sobre o filme “Vazante” de Daniela Thomas já houve uma denúncia sobre o racismo perpetuado não apenas como veia narrativa no cinema nacional, porém como modo de produção e distribuição de recursos para ‘visibilizar’ apenas um quadro cultural e invisibilizar inúmeros outros.
50 anos de história. 50 anos pressupondo transgressões, desde o Cinema Novo.

Mas… de repente, aconteceu a aclamação popular absoluta na terceira noite do 50° Festival de Brasília da sessão dupla com o curta-metragem alagoano “As Melhores Noites de Veroni” de Ulisses Arthur e o longa-metragem ‘soterocachoeirano’ “Café com Canela” de Glenda Nicácio e Ary Rosa. E os profissionais do audiovisul, a crítica especializada e público em geral tiveram de rever totalmente seus conceitos. E, de novo, não apenas do conceito e conteúdo como obra, porém como meio de produção de todo um sistema indissociável de se fazer filmes.

O que se sucedeu foi um lindo momento histórico. Uma catarse curativa coletiva. Praticamente não havia olhos secos na casa. Havia um agradecimento mútuo de cada pessoa presente que ajudou a pavimentar os passos deste caminho, como também pelo reconhecimento do resultado dos ali presentes Glenda Nicácio e Ary Rosa e Ulisses Arthur e a produtora executiva Thamires Santos e elenco dos respectivos trabalhos.

Dava para se perceber que era algo histórico. Pareceria um crime não incluir o restante dos interessados brasileiros do meio do nosso cinema neste debate. Segue abaixo na ordem os links de filmagens dos debates sobre os filmes, sem falar no vídeo principal do post que pegou o miolo todo em live de facebook.
Eis um registro histórico. Parabéns a todos os envolvidos. Muito honrado de poder presenciar:

Live do facebook:

https://m.facebook.com/story.php?story_fbid=10208235046473653&id=1827382969

Fala emocionante de Glenda sobre batalha por meios de produção e reconhecimento das referências regionais de um imaginário que o cinema até hoje não permitiu visibilizar:
https://m.facebook.com/story.php?story_fbid=404498309948256&id=193928527671903

Fala de Ary Rosa e das atrizes Aline Brunne e Valdinéia Soriano:
https://m.facebook.com/story.php?story_fbid=1847845285230614&id=325129114168913

Fala de Ulisses Arthur e Thamires Santos:
https://m.facebook.com/story.php?story_fbid=1847900895225053&id=325129114168913