Balanço do Terceiro Dia no Festival do Rio

Destaque da noite vai para Eu, Pecador de Nelson Hoineff

por

09 de outubro de 2017

Começando cedo no Cine Odeon, o Festival do Rio 2017 já abriu com Mostra competitiva de documentários e o excelente “Piripkura” de Mariana Oliva, Renata Terra e Bruno Jorge sobre o massacre de índios que ocorre até os dias de hoje e a luta de agentes do governo abnegados em tentar manter a demarcação de terras preservadas. Depois ainda ocorreu um incrível debate sobre como defender os direitos indígenas é defender a democracia para todos.

http://almanaquevirtual.com.br/debate-de-piripikura-no-festival-do-rio/

Na sequência a sessão eletrizante do suspense social “Praça Paris” de Lúcia Murat com roteiro do escritor de bestsellers policiais Raphael Montes, com uma interpretação prodigiosa da atriz e dramaturga Grace Passô e de Joana de Verona, também com debate que será em breve publicado aqui no Almanaque Virtual.

Na sequência o eficiente thriller “Aos Teus Olhos” de Carolina Jabor, com Daniel Oliveira e Marco Ricca, mas que escorrega em algumas questões éticas e de responsabilidade fílmica ao abordar a pedofilia para falar de julgamento social usando a internet para difamar toda a vida dos envolvidos.

Outra estreia do dia foi o documentário hors-concours da Première Brasil “Eu, Pecador” de Nelson Hoineff, que versa sobre o famigerado e controverso cantor e político Agnaldo Timóteo, o qual gerou muitas gargalhadas possivelmente como a melhor comédia do Festival, visto que seu biografado possui uma personalidade e carisma que fascinam na tela.

Por fim, o sólido drama argentino ambientado em Nova York e com coprodução brasileira, “Ninguém Está Olhando” de Julia Solomonoff, com atuação dedicada de Guillermo Pfening, além de ter contado com duas diretoras brasileiras na equipe: Petra Costa, que atua no elenco de suporte numa metalinguagem com a vida; e Lucia Murat que coproduziu com a sua produtora Taiga Filmes e Vídeo.

Houve também sessões de gala de “Iran” de Walter Carvalho e “O Nome da Morte” de Henrique Goldman que já possuem críticas em vídeo por nosso almanaquista Rodrigo Fonseca postadas no site:

http://almanaquevirtual.com.br/festival-do-rio-2017-andre-mattos-engole-o-nome-da-morte/

http://almanaquevirtual.com.br/festival-do-rio-2017-iran-e-um-ensaio-sobre-a-solidao-do-ator/