BBB 21: O caso Lucas e Kerline

O cupido azedou

por

29 de janeiro de 2021

Vamos lá… Complexo, bastante complexo. Inevitavelmente o #BBB coloca confinadas num mesmo lugar pessoas muito diferentes, de origens, pensamentos, idades, maturidades e experiências de vida diferentes. Em parte, o próprio programa calcula isso para gerar faíscas e combustão. Já noutras vezes eles mexem os pauzinhos pra amplificar o abismo, vide o post hoje da Cleo Pires criticando a organização do #BBB em não deixar Fiuk ter o seu remédio para depressão (algo similar ao que A Fazenda fez com Raíssa de início).

Por outro lado, alguns contrastes de personalidade e vivência poderiam ser tratadas com mais respaldo, o que a gente sabe muito bem que eles querem é que entrem em conflito. Meu coração ficou apertadinho com o conflito entre Lucas e Kerline… Entendo que tenha havido problemas dos 2 lados. Lucas fez uma brincadeira indevida com Karline, partindo de uma insegurança pessoal, e que dependendo do ponto de vista poderia parecer insensível. Já Kerline fez uma brincadeira de volta leviana e desproporcional, que gerou uma ferida profunda em Lucas. Algumas pessoas podem ter achado exagero, mas existem outros fatores operando que machucam bastante.

Tudo começou quando Lucas falou que seria o cupido da casa e juntaria os casais logo na primeira festa… Kerline se sentiu manipulada e coagida e devolveu a brincadeira sem graça dizendo que ela poderia estar interessada no próprio cupido. Lucas levou a sério e achou que ela de fato estava interessada nele, enquanto ela só falou aquilo pra retribuir a brincadeira equivocada desde o princípio. A questão é que a dele veio por uma imaturidade emocional, mas a dela atravessou inúmeras questões e recortes bastante problemáticos das diferenças de vida ali confinadas. Um mal entendido que escalonou da pior forma. Ambos não souberam lidar direito. Mas a Kerline se fazendo de sonsa acaba sem querer dando vazão às acusações de dissimulação, mesmo que não seja a intenção dela. Mas todos têm que prestar atenção duplamente numa casa hiper vigiada e escrutinada sobre seus pontos de vista conflitantes.

Há muitas experiências ali em jogo. Como Karol Conká falou: “Nem em Malhação há esse tipo de debate. Só aqui no #bbb”.

E não é que Lucas tenha deixado de errar com Kerline, pois errou sim, e ela se sentiu assediada, mesmo que não tenha sido a intenção dele. Afinal, ele se colocou como cupido por uma enorme insegurança, fruto até de um desequilíbrio social de auto-estima na situação, e ele achava que ninguém iria querê-lo, então quis “ajudar”. O próprio Lucas falou isso com todas as letras. Mas o que ele acabou fazendo ao forçar um pouco a barra de cupido também pode ser um problema muito grande, concordo sim. O que não justifica que se escalone numa bola de neve, especialmente porque Kerline acabou também sem saber tocando na maior insegurança do jovem, que era como os brancos o viam na sociedade, e temos que entender que isso pra ele também é ameaçador. Muita gente não está preparada para isso, porque nossa sociedade não deu nem dá necessariamente recursos pra tal. O programa quando viu a coisa degringolar deveria ter interrompido e chamado os 2. E eles deixaram por “audiência”.

A questão é que existem outros recortes e níveis diferentes de maturidades emocional, e infelizmente o programa coloca esses níveis em colisão mesmo. Apesar de muitas brigas serem tidas como “entretenimento” no BBB, essa definitivamente é algo muito sério pra ambos os lados, e não é algo leviano. Deveria ser tratado de forma muito mais madura pelo próprio programa, que deveria ter chamado ambos no confessionário e explicado como está se desenvolvendo a situação. Porque infelizmente mexeu com questões que vão além dos 2 indivíduos e alcança algo sociais e interseccionais de gênero e raça bastante densas e que não vão se resolver com um aperto de mãos de nenhum dos 2. Sempre achei que esses programas deveriam ter acompanhamento psicológico, pois eles estão lidando com vidas humanas, e negligenciando ambas.

E o acompanhamento psicológico, que o programa até possui, não é para atender questões com consciência de classe, raça e gênero e seus traumas. É alguém pra manutenção no programa. Eles só avaliam se a pessoa está tipo desequilibrada a ponto de precisar sair. Vide o caso Raíssa na Fazenda… então o mal que eles podem estar fazendo teria consequências incalculáveis pra ambos participantes… Deveriam repensar a postura antes que alguém se machuque de forma que não tenha cura emocional que dê conta…😢

E mesmo que se compare com a questão de Fiuk e Juliette, onde esta pode ter exagerado ou tratado de forma excessiva e desrespeitosa o flerte com Fiuk, nem se compara com o que está acontecendo agora. Sempre podemos olhar o lado jurídico como denominador comum pra tentar entender melhor a diferença, e, no caso, vamos falar de “intenção” e “prejuízo” — Para uma causa no direito existir, você tem que provar se a pessoa teve intenção em lesar a outra… Ou, se foi “culposo”, outro degrau de intenção, deveríamos analisar se a pessoa deveria ter prestado atenção nos mínimos cuidados devidos, e não tomou por imperícia, negligência ou imprudência… Mas pra além de provar intenção ou culpa, precisa provar prejuízo também. Se houve dano ou perda…. No caso de Juliette e Fiuk, ambos continuam levando isso na brincadeira, e ambos demonstraram não ter a intenção de prejudicar um ao outro. Ambos demonstram estar na capacidade total de si próprios e sabendo lidar com as contingências para não gerarem danos maiores, mesmo que psicológicos… Já o caso de Kerlane e Lucas, ambos demonstraram claramente terem se sentido prejudicados e que teriam danos um ao outro. Kerlane chegou a dizer pra ele que tinha NOJO dele! E ele chamou ela de Stalin. Ambos saíram completamente das raias do controle sobre a capacidade de lidar com a situação, passaram ao desequilíbrio, e estão num nível que pode até piorar em relação à saúde psicológica de ambos… A audiência fica “tranquila” porque até hoje nunca vimos ninguém, por exemplo, se cortar ou cometer algo realmente perigoso contra si próprio ou outrem, mas temos de estar atentos… Pois a responsabilidade final é do programa sim! E atos possuem consequências.