Candidatos brasileiros no Spirit Awards, o Oscar do cinema independente

por

08 de fevereiro de 2020

NESSE SÁBADO TEM BRASIL NO SPIRIT AWARDS COM “A VIDA INVISÍVEL” E “O FAROL”

Longa produzido pela RT Features recebeu 5 indicações ao Spirit Awards

Nesse sábado, dia 8 de fevereiro, o mundo vai conhecer quem são os melhores filmes independentes da temporada segundo os votantes do Independent Spirit Awards, e dois filmes produzidos por Rodrigo Teixeira, da RT Features vão representar o Brasil nessa corrida: ‘A Vida Invisível’, de Karim Aïnouz, concorre na categoria de Melhor Filme Internacional e O Farol, de Robert Eggers, foi indicado a cinco categorias – Diretor, Ator (Pattinson), Ator Coadjuvante (Dafoe), Fotografia e Montagem.

“Não poderíamos estar mais felizes com as indicações dos nossos filmes. Essa é a terceira vez que estaremos nessa premiação que considero muito especial. É um ano incrível para o cinema independente, e ter duas produções nossas, uma brasileira e outra americana, entre os melhores do ano, é realmente sensacional.”, diz Rodrigo Teixeira,

‘A Vida Invisível’ levou mais de 150 mil espectadores para assistir ao drama das irmãs Eurídice e Guida nos cinemas do Brasil e conquistou prêmios importantes nos principais festivais do mundo, como o Grand Prix da mostra Un Certain Regard, no Festival de Cannes – inédito na história do cinema brasileiro –, além de prêmios do público de Melhor Filme e do júri de Melhor Fotografia, no Festival de Cinema de Lima; o CineCoPro Award, no Festival de Munique, e recentemente na Espanha levou três prêmios da Semana Internacional de Cine de Valladolid, incluindo Melhor Atriz para as protagonistas Carol Duarte e Julia Stokler e o prêmio da crítica internacional, o FIPRESCI. Além de ter sido o filme a tentar uma vaga para o Brasil no Oscar 2020.

Já, O Farol, dirigido por Robert Eggers, é mais uma produção estrangeira de sucesso na filmografia da produtora de Rodrigo Teixeira. O filme que é o líder de indicações nessa edição do Independent Spirit Awards, teve sua estreia mundial na Quinzena dos Realizadores do Festival de Cannes 2019, onde levou o prêmio de Melhor Filme da FIPRESCI – Federação Internacional de Críticos de Cinema, e foi exibido em concorridas sessões durante a 43ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo e no Brasil, onde continua em cartaz nos cinemas já levou mais de 80 mil espectadores para assistir este conto hipnótico e alucinante de dois guardas de farol em uma remota ilha na Nova Inglaterra nos idos de 1890.

SOBRE A RT FEATURES

Fundada e dirigida por Rodrigo Teixeira, a RT Features é uma produtora nacional e internacional de conteúdo cultural e entretenimento para cinema e televisão, com base em São Paulo, Brasil, e escritório em Nova York, nos EUA. Dentre outras produções, seu currículo conta com os longas-metragens ‘O Cheiro do Ralo’ (2006), ‘O Abismo Prateado’ (2010), ‘Tim Maia’ (2014), ‘Alemão’ (2014), ‘O Silêncio do Céu’ (2016) e a série ‘O Hipnotizador’ (para a HBO Latin America em 2015).

No mercado internacional, produziu os longas Frances Ha (2013), O amor é estranho (2014), Love (2015), Mistress America (2015), A Bruxa (2016), Patti Cake$ (2017) e Me chame pelo seu nome (2017), indicado ao Oscar em quatro categorias tendo sido vencedor por Melhor Roteiro Adaptado. Em 2018, entre outros filmes, produziu o novo filme de James Gray, Ad Astra, protagonizado por Brad Pitt, com previsão de estreia em setembro.

Dedicada a trabalhar com jovens e talentosos diretores desde a criação de sua empresa, a RT Features formou uma joint venture com a Sikelia Productions, de Martin Scorsese, com o objetivo de produzir filmes de cineastas emergentes em todo o mundo. O primeiro longa-metragem desta parceria, A Ciambra, estreou na Quinzena dos Realizadores em 2017, e o segundo filme, Port Authority, foi selecionado para o Festival de Cannes e exibido na mostra oficial Un Certain Regard.

A RT Features também teve um terceiro filme exibido em Cannes, The Lighthouse de Robert Eggers, com Willem Dafoe e Robert Pattinson, esteve na Quinzena dos Realizadores, e levou o FIPRESCI – prêmio da crítica internacional, de Melhor Filme.