Cannes 2020: 25 filmes que poderão estar na seleção

Mesmo com o adiamento do Festival de Cannes devido ao coronavírus, muitos veículos estão apostando quais seriam os filmes selecionados para competir pela Palma de Ouro este ano. Vejamos algumas das apostas da Indiewire em tradução pelo Almanaque Virtual

por

25 de março de 2020

91034560_519488885426289_8777464301641269248_n

Cannes 2020: 25 filmes que poderão estar na seleção. Mesmo com o adiamento do Festival de Cannes devido ao coronavírus, muitos veículos estão apostando quais seriam os filmes selecionados para competir pela Palma de Ouro este ano, de Wes Anderson a Christopher Nolan, de Naomi Kawase a Maïwenn e Mia Hansen-Løve. Vejamos algumas das apostas da Indiewire em tradução por Filippo Pitanga:

“Cannes foi adiada até o verão europeu e ainda não está claro quando isso acontecerá. Mas isso não nos impedirá de antecipar uma programação promissora. Como a maioria dos principais eventos da mídia programados para as próximas semanas, o Festival de Cannes foi suspenso. No entanto, enquanto festivais que variavam de SXSW a Tribeca cancelavam ou adiavam seus planos, a celebração mais animada do cinema no calendário estava agendada para as datas de maio e demorou o maior tempo possível para corresponder à pandemia mundial. Finalmente, no final da semana passada, Cannes anunciou que adiaria suas festividades e expressou o desejo de reagendar o evento para o final de junho. Dadas as circunstâncias imprevisíveis, é impossível saber se essa linha do tempo é realista – mas Cannes não seria Cannes se não projetasse uma aura de confiança sobre o que estava fazendo e, por enquanto, o festival mais glamouroso do mundo ainda planeja realizar uma edição 2020.

Certo será dizer que, se Cannes acontecer, sua programação tem muito potencial. A cada ano, a IndieWire monta uma lista de desejos de filmes que, esperemos, sejam apenas os melhores. O fato de Cannes não acontecer no cronograma habitual não muda o calibre do cinema que poderia ter aparecido por lá – e, bem verdade, ainda pode – então estamos prosseguindo com os negócios como sempre. Por tradição, fizemos nossa lição de casa para garantir que incluíssemos apenas títulos que apresentem uma chance realista de aparecer no programa, mesmo sob essas condições não convencionais. Isso significa que novos filmes promissores como “Nomadland”, inacabado, de Chloé Zhao, não apareceram aqui; Idem em relação à “On the Rocks”, de Sofia Coppola, que aparentemente já se comprometeu com o lançamento em Veneza. Mas não importa o quanto o mundo tenha colocado seus principais eventos em espera, há muitos outros projetos concluídos ou acabados por aí que parecem fortes o suficiente para justificar o lançamento de Cannes, se e quando isso acontecer. Aqui estão 25 deles:

90842902_590727491520308_8686823122847924224_n

“ADN” (Maiwenn)

Em qualquer ano, uma estreia em Cannes para o novo filme da diretora / roteirista / atriz francesa Maïwenn é uma inevitabilidade. Seu drama policial de Paris, “Polisse”, de 2011, conquistou o Prêmio do Júri de Cannes, seguido por 13 indicações ao Prêmio César no ano seguinte. Seu filme seguinte, “Mon Roi”, uma história de amor distorcida, estrelada por Vincent Cassel e Emmanuelle Bercot, também competiu na Croisette em 2015, ganhando o prêmio de Melhor Atriz Bercot. O próximo filme de Maïwenn, “DNA”, anunciado por Wild Bunch em janeiro, baseia-se na própria história de Maïwenn como uma mulher nascida na França de descendência mista vietnamita, francesa e argelina. Também conhecido como “ADN” em francês, “DNA” se concentra em uma mulher próxima ao avô argelino que, após sua morte, deve enfrentar a educação complicada da qual ele tentou protegê-la. Maïwenn também estrelará o filme, ao lado de Fanny Ardant, Louis Garrel e Marine Vacth. Os filmes anteriores de Maïwenn demonstraram destreza atrás e na frente da câmera, e ambos com uma tremenda capacidade de perturbar quando a diretora e atriz julgam os crimes de seu país. “ADN” tem o potencial de fazer isso de uma maneira ainda mais pessoal do que antes. —RL

“Annette” (Leos Carax)

Leos Carax trabalha com moderação, mas o esquivo autor francês faz com que sempre valha a pena esperar por suas obras. Em 2012, seu “Holy Motors”, que empurrava as fronteiras, foi a grande surpresa da competição de Cannes, uma história abstrata de uma figura misteriosa que manipula múltiplas identidades ao longo de um único dia surreal. Desde então, o silêncio total de seu trabalho… até o ano passado, quando Carax finalmente começou a produzir o que parecia ser seu projeto mais ambicioso até agora, e sua primeira incursão no idioma inglês. Adam Driver estrela como um comediante que, junto com sua famosa esposa soprano interpretada por Marion Cotillard, cria uma criança com uma dádiva/talento enigmático. As especificidades desse talento permanecem ocultas em questão, mas conhecendo Carax, é seguro assumir que muito da narrativa desafia uma descrição fácil. Driver se tornou viral no ano passado com seu grande momento de Sondheim (nome consagrado do teatro musicado) em “História do Casamento”, de modo que “Annette” está perfeitamente situada para levar esse potencial musical a alturas mais ousadas, ao mesmo tempo em que finalmente permite que as habilidades de contar histórias de sonhos de Carax cheguem a um público mais amplo. Só se pode esperar. —EK

Bergman Island  (Mia Hansen-Løve)

Filmado em duas partes e co-estrelado por Tim Roth e Vicky Krieps, “Bergman Island” finalmente terminou no meio do último verão. Dado o alto perfil do projeto e sua conexão com um dos maiores titãs do cinema europeu, essa seria uma oportunidade natural (se atrasada) de deixar Hansen-Løve se formar nas mostras paralelas e convidá-la para a competição principal em Cannes. —DE

“Comes Morning”/Vem a Manhã” (Naomi Kawase)

Cannes sempre foi muito boa com Kawase no passado, tendo sido morada de sete de seus filmes (seis somente na adolescência), e convocando-a para servir como presidente da seção de Cinefondation do festival e seu júri de curtas-metragens em 2016 e júri oficial da competição em 2013. Kawase também é a mais jovem vencedora da Camera d’or por seu longa “Suzaku” em 1997, que seguiu com um prêmio de Grand Prix 10 anos depois por “The Mourning Forest. ” Em suma, se Kawase tem um filme, Cannes é geralmente uma aposta segura para o seu lançamento. (Estranhamente, sua “Visão” pulou Cannes em 2018 e apareceu no outono.)  O próximo, “Vem a Manhã”, provavelmente a colocaria de volta na lista de Cannes. Baseado em um romance de 2015 de Mizuki Tsujimura, a história segue uma mulher que adota um filho, apenas para ser contatada pela mãe biológica do bebê. Enquanto muitos críticos de Cannes tendem a ignorar seu trabalho no festival, as fantasias alegóricas de Kawase conquistaram muitos fãs ao longo dos anos. —KE

90912113_2282846325354174_7622411088801300480_n

“The French Dispatch” (Wes Anderson)

Wes Anderson usou o Festival Internacional de Cinema de Berlim para lançar seus dois últimos longas, “The Grand Budapest Hotel” e “Isle of Dogs”, mas 2020 deveria marcar o grande retorno do autor a Cannes com seu novo projeto, “The French Dispatch.” O último de Anderson em Cannes foi o “Moonrise Kingdom”, que estreou mundialmente na noite de abertura do evento de 2012. A data de lançamento do Searchlight em julho para “The French Dispatch” posicionou Cannes como o destino perfeito para uma estreia mundial. Para um festival que ama estrelas, nada seria melhor do que o tapete vermelho de “The French Dispatch”: Tilda Swinton, Bill Murray, Timothee Chalamet, Lea Seydoux, Benicio del Toro, Elisabeth Moss, Owen Wilson, Frances McDormand e Muito mais. Por enquanto, o holofote continua comprometido em lançar “Dispatch” nos cinemas em 24 de julho, então ainda há uma chance de chegar a Cannes caso o festival seja adiado para o final de junho (ou se o próprio filme não for adiado devido ao coronavírus). –ZS

“The Hill Where the Lionesses Roar”/”A colina onde rugem as leoas” (Luàna Bajrami)

Enquanto muitos dos elogios em torno de “Retrato de uma Jovem em Chamas” se concentraram nas performances de Noémie Merlant e Adèle Haenel, Luàna Bajrami se manteve como empregada solidária do filme e ganhou o prêmio de “Atriz Mais Promissora” de 2020 nos Césars. A artista de 19 anos do Kosovo pode ser uma estrela em ascensão na frente da câmera, mas ela já está em um caminho promissor para fazer seu próprio filme, tendo encerrado as filmagens de sua estreia na direção no ano passado: “The Hill Where the Lionesses Roar” exibiu apenas alguns minutos para os participantes da indústria no Les Arcs Film Festival em dezembro passado e ganhou um prêmio de engajamento do público lá. O filme segue três adolescentes que decidem quebrar a monotonia de suas rotinas diárias tramando um assalto. Antes que você possa dizer “The Bling Ring” de Sofia Coppola, bem, sim: alguns que o viram já estão fazendo a comparação. Mas com uma diretora tão jovem por trás das câmeras, se “The Hill Where the Lionesses Roar” realmente oferecer seu potencial, seu posicionamento no festival poderá transformar Bajrami na grande revelação do ano, sempre que for lá. —EK

“Home”/”Casa” (Franka Potente)

A atriz alemã Potente tem sido um rosto reconhecível no cinema atual há mais de 20 anos, começando com sua turnê icônica em “Run Lola Run” (Corra Lola Corra) e continuando com uma série de créditos de Hollywood, de “Blow” a “The Bourne Identity”. Este ano, no entanto, ela está pronta para se mudar para a cadeira de direção com sua estréia no longa-metragem na Califórnia, “Home”, que estrelou Jake McLaughlin como um ex-presidiário que volta de uma prisão de 20 anos e luta para se acostumar de volta à sua antiga cidade natal, apesar do persistente ressentimento pelo crime que o afastou em primeiro lugar.  O elenco também inclui a recente indicada ao Oscar Kathy Bates e a sensação de “Get Out”, o ator coadjuvante Lil Rel Howery, melhor amigo do protagonista em “Corra!”. Potente se aventurou pela primeira vez no cinema num esforço de 43 minutos em 2006 “Digging for Belladona”, a história agradável de um punk preso em um melodrama que se passava em 1918 que provou que Potente tinha uma visão real de direção. Embora a premissa de “Casa” sugira um drama mais fundamentado, o filme é produzido pela principal produtora de cinema alemã Augenschein Filmproduktion, que também conta com o surpreendente drama georgiano de 2017 “My Happy Family” e o thriller de Joseph Gordon-Levitt “7500” entre seus lançamentos mais recentes. É seguro supor que “Casa” forneça a vitrine para uma atriz como ela, a partir de um cenário de cinema internacional, esteja pronta para estourar de uma maneira totalmente nova, e Cannes seria o lugar ideal para começar essa história. —EK

“Last Night in Soho”/”Noite passada no Soho” (Edgar Wright)  

As últimas notícias de Edgar Wright foram escondidas em segredo por meses, mas não se preocupe. Afinal, quando os filmes de Wright se beneficiaram do vazamento de linhas de registro? Quem ouve “comédia zumbi” e prevê o que “Shaun of the Dead” se tornaria? De qualquer forma, o que sabemos é mais do que suficiente para ficar animado. Com um elenco querido de estrelas em ascensão como Thomasin McKenzie e Anya Taylor-Joy, ao lado de lendas de boa-fé como Diana Rigg e Terence Stamp, o filme é relatado como um “filme de terror psicológico” com algum tipo de mudança na viagem no tempo. Uma estréia na Croisette para o filme, ainda previsto para chegar aos cinemas em setembro pela Focus Features, teria sido uma partida feita no paraíso dos amantes de filmes. (Portanto, se o festival realmente acontecer neste verão, não estará fora de questão.) Wright conseguiu um novo co-roteirista do filme “1917”, Krysty Wilson-Cairns, um fã de história que só podemos esperar que traga essas obsessões para o filme. Para uma certa classe de cinéfilo contemporâneo, uma nova articulação de Wright sempre será um evento, e enquanto os detalhes permanecem escassos em “Soho”, o obsessivo Wright já deixou escapar algumas inspirações, nomeando outros filmes de terror britânicos como “Don” t Look Now ” e “Repulsion” como postagens de guia. Mas, divertido, certo? —KE

“Mandibules”/”Mandíbulas” (Quentin Dupieux)

As sensações traiçoeiras do cineasta francês Dupieux – que também é o DJ Mr. Oizu – têm sido bem estabelecidas em Cannes ao longo dos anos, com apostas surreais como o filme existencial de pneus assassinos “Rubber” e o truque enlouquecido do ano passado “Deerskin”. Ele não tem escassez de idéias ultrajantes e os meios para realizá-las. Cannes teria sido uma plataforma natural para sua mais recente aventura cinematográfica bizarra, que tem o tipo de premissa ridícula que apenas Dupieux poderia imaginar: é a história de dois amigos (dupla de comédia Grégoire Ludig e David Marsais) que descobrem uma mosca presa em um carro e a treinam para fazer truques que lhe tragam dinheiro fácil. (Você leu certo.)  A narrativa de Dupieux sempre se reveza entre desconcertante – pense que David Lynch conhece Monty Python – e é seguro supor que “Mandibules” proporcionará um passeio muito atraente. O filme, que também conta com Adele Exarchopoulos, “Blue is the Warmest Color” (“Azul é a cor mais quente”), conta com uma trilha sonora original do cineasta, cujos filmes sempre trazem aventuras malucas que valem a viagem, não importa onde elas acabem. —EK

“Memoria” (Apichatpong Weerasethakul)

O autor tailandês Weerasethakul é um regular de Cannes desde que “Tio Boonmee, que pode recordar suas vidas passadas”, venceu a Palme d’Or em 2010, mas “Memoria” marca a primeira vez que trabalha fora de seu país. Essa é uma mudança emocionante, já que Weerasethakul foi o principal cronista cinematográfico da identidade mitológica e histórica de seu país. Desta vez, ele se aventura na Colômbia para explorar as experiências de uma mulher nômade (Tilda Swinton) que sofre de síndrome da cabeça explosiva, o que a faz ouvir barulhos altos que não existem. O cineasta descreveu o filme como outra descida onírica em um mundo lírico a apenas alguns graus do real, enquanto ainda imerso em lugares e pessoas reais.  Os filmes de Weerasethakul são geralmente um gosto a ser adquirido, mas aqueles que desejam se abrir à sua visão singular são recompensados ​​com maneiras verdadeiramente inesperadas de experimentar o mundo moderno. Adquirido durante a pós-produção pela NEON enquanto os EUA colhiam as recompensas de bilheteria de “Parasite”, o filme pode ser o mais recente a encontrar apoio da última empresa a descobrir como levar o cinema não inglês para o mainstream. Com Swinton no centro, “Memoria” poderia ser o ingresso de Weerasethakul para um público maior, pelo menos em relação à bolha do festival que o celebra há anos. —EK

Marx (Susanna Nicchiarelli)

Ao longo de duas décadas atrás da câmera, a cineasta italiana Susanna Nicchiarelli fez de mulheres complicadas sua assinatura, passando de histórias extravagantes como “Cosmonaut” para sua amada cinebiografia “Nico, 1988”. Seu próximo projeto parece ser o culminar de suas obsessões cinematográficas: um drama baseado em fatos sobre a vida da filha inteligente de Karl Marx, Eleanor Marx, que não está de acordo com as armadilhas tradicionais de biografias. Quando os direitos do filme foram vendidos em Cannes no ano passado, a Screen informou que Nicchiarelli confiaria na “inserção de fotografias e filmagens de época, no uso irônico da música contemporânea e em uma estética minimalista de roupas e acessórios” para subverter as armadilhas de gênero usuais. Não importa seu método de contar a história, o filme estrelado por Romola Garai tem muito drama da vida real para se fazer. Eleanor era uma ativista socialista com suas próprias grandes idéias sobre como o mundo (e o governo) deveriam funcionar. Apesar de seu intelecto formidável, sua vida pessoal era carregada, e muitas vezes estava à mercê de seu cruel parceiro de longa data Edward Aveling (interpretado por Patrick Kennedy). Niccharelli nunca esteve em Cannes antes, mas ela é a favorita de Veneza há muito tempo e parece preparada para dar o próximo passo na arena internacional. —KE

“Mona Lisa and the Blood Moon”/”Mona Lisa e a Lua Sangrenta” (Ana Lily Amirpour)

Ana Lily Amirpour nunca é uma diretora a se esquecer. Ela quebrou as convenções dos filmes de vampiros e westerns espaguete com “A Girl Walks Home Alone at Night” de 2014 e fez novamente com o filme pós-apocalíptico “The Bad Batch”, a diretora iraniana-americana de 2017 estreando no idioma americano. Com “Mona Lisa e a lua de sangue”, Amirpour alinhou seu maior elenco até agora, incluindo Kate Hudson, Craig Robinson e a atriz coreana Jun Jong-Seo, a estrela de apoio da sensação de Cannes de 2018 “Burning”. Com outro roteiro original de Amirpour, desta vez usando os gêneros de fantasia e aventura como trampolim, “Mona Lisa” volta sua trama a focar numa jovem com poderes mágicos e potencialmente voláteis. Depois de sair de um instituto psiquiátrico, ela decide se virar sozinha em Nova Orleans, onde o filme foi filmado, no local e, é claro, é o playground de todo cineasta para todas as coisas mágicas. Amirpour ainda não trouxe um filme para Cannes, e com uma pressão crescente no festival para dar espaço para as diretoras, especialmente as diversas, hum, olá, há uma visionária aqui. —RL

“My Donkey, my lover and I”/”Meu burro, meu amante e eu” (Caroline Vignal)

A diretora francesa Caroline Vignal estreou na Cannes Critics Week com sua estréia em 2000, “Girlfriends”, mas não dirigiu nada nos últimos 20 anos. Esta nova comédia pode ser o seu tão esperado retorno aos holofotes: as estrelas de cinema Laure Calamy e Benjamin Lavernhe mergulham na história de uma mulher que reserva uma escapada no campo com seu amante – apenas para ficar presa lá quando ele cancela o programa para ficar com a esposa no último minuto. Ela segue sua trilha até as montanhas Cévennes, mas ele já se foi, deixando apenas um burro em seu caminho. Fale sobre um título literal: A trama que se segue foca nesta mulher e seu novo companheiro animal em uma jornada inesperada pelo deserto, e soa como o tipo de empreendimento minimalista que poderia ressoar como algo que agradaria o público em alguma mostra paralela de Cannes. —EK

Screenshot_20200324-172005_Instagram

“Península” (Yeon Sang-Ho)

Arrecadando mais de US $ 90 milhões em todo o mundo, o frenético “Invasão Zumbi/Train to Busan” de Yeon Sang-ho ficou acima da horda recente de filmes de zumbis por causa de performances memoráveis, uso inteligente do espaço e uma mensagem de coração aberto sobre a necessidade de permanecer juntos face a uma crise (bons conselhos!). Tecnicamente, a terceira parte da série de Yeon (ele também dirigiu o duvidoso prequel animado “Seoul Station”), “Península” é uma sequência de orçamento maior, que se passa quatro anos após o original e conta a história depois que os mortos-vivos reduziram a Coréia num deserto inabitável. Como a maioria dos personagens principais de “Train to Busan” já foi comida viva na tela, Yeon se voltou para um novo elenco liderado pela estrela de “Golden Slumbers”, Kang Dong-won e a cantora e atriz Lee Jung-hyun. É muito cedo para saber se Yeon poderá recuperar o mesmo raio em uma garrafa em uma proporção muito maior, mas é seguro supor que Cannes será o primeiro lugar para descobrir; “Train to Busan” estreou nas famosas sessões de meia-noite do Festival, e “Península” quase certamente seguirá o exemplo, se puder. —DE

“Summerland” (Jessica Swale)

A dramaturga vencedora do prêmio Olivier há muito tempo já havia traçado seu salto para o cinema: em 2012, ela ganhou a Bolsa de Roteiro BAFTA JJ, com a qual passou a escrever o roteiro original para o que seria sua estréia na direção de longas-metragens. Estrelado por Gemma Arterton como uma escritora reclusa, o filme se passa durante a Segunda Guerra Mundial e encontra a personagem Alice (Arterton) inesperadamente responsável um jovem após o Blitz de Londres. O filme também é estrelado por Gugu Mbatha-Raw, Penelope Wilton e Lucas Bond e promete algo cada vez mais raro: um novo olhar sobre a guerra pelos olhos de uma protagonista feminina. O filme foi encerrado em novembro do ano passado e ainda (presumivelmente) encontrará o caminho para o lançamento do festival este ano. —KE

91034560_519488885426289_8777464301641269248_n

“Soul”/”Alma” (Pete Docter, Kemp Powers)

Apesar de sua estatura como o festival de cinema mais prestigiado do mundo, Cannes tem sido incapaz de ignorar o fascínio (e o poder de fogo do marketing) de ofertas animadas de grande orçamento do set de Hollywood – este é um festival onde “Shrek” e “Shrek 2” não apenas estrearam, mas o fizeram na competição, afinal. Mas nada foi capaz de casar arte e sensibilidade do estúdio tão bem quanto quando se trata de estreias da Pixar. Quando a casa de animação estreou “DivertudaMente”/Inside Out” no festival em 2015, a reação foi extremamente positiva – uma jornada pelas manchetes históricas sobre sua estréia principalmente em choque que uma oferta de Hollywood seria tão bem recebida logo em Cannes de todos lugares – e parecia que o festival estava se preparando para uma repetição com “Soul”. O próximo filme da Pixar, previsto (por enquanto) para o lançamento em junho, até parece uma irmã espiritual inteligente de “Inside Out”. Enquanto esse filme era sobre as emoções conflitantes que dirigem a mente humana, o trabalho seguinte de Pete Docter é sobre a alma que dá às pessoas sua humanidade. Jamie Foxx dubla Joe Gardner, um educado professor de música do ensino médio que sempre sonhou em tocar jazz em um clube elogiado, e o filme segue sua jornada depois que sua alma é acidentalmente expulsa de seu corpo. Outros detalhes são escassos, mas sabemos que “Soul” – que também é o raro recurso da Pixar focado em uma pessoa negra – verá Joe tentando reunir seu corpo e alma depois de aprender algumas grandes lições ao longo do caminho. Para uma multidão que adorava “Inside Out”, “Soul” soa como o próximo filme de Hollywood que poderia realmente chegar ao cenário do festival, se tivesse a chance. —KE

“Soeurs” (Yamina Benguigui)

Depois de entrar no cenário internacional com seu aclamado “Inch’Allah Dimanche” em 2001, Yamina Benguigui – uma cineasta francesa de ascendência argelina – parecia prestes a se tornar um dos pilares do circuito internacional de festivais. Mas seu interesse pela situação dos imigrantes franceses levou Benguigui a uma direção diferente; depois de fazer um pequeno número de documentários que compartilhavam as preocupações sociais de seu filme de estréia, Benguigui seguiu suas convicções para a arena política, lutando pelos direitos humanos no conselho da cidade de Paris e depois atuando no Ministério das Relações Exteriores. E embora houvesse esforços nesse período para colaborar com Isabelle Adjani em algum tipo de filme, nada havia acontecido…. até agora! Dezenove anos desde a estreia de “Inch’Allah Dimanche” no TIFF, Benguigui encerrou um novo projeto de ficção. Co-escrito pelo roteirista de “Um Profeta” e estrelado por Adjani, Maiwenn e Rachida Bakri como suas irmãs, “Soeurs” encontra Benguigui dividindo sua personalidade em três fragmentos iguais para uma história sobre uma cineasta, uma política e uma empresária, cada um navegando em seus relacionamentos com seus países de origem e adotados. Com um elenco cheio da realeza de Cannes e uma diretora que alcançou status semi-mítico na França, “Soeurs” seria um encaixe natural na programação da competição. —DE

“Summer of ’85″/”Verão de 85” (Francois Ozon)

François Ozon não é um estranho no Festival de Cannes, tendo competido pela Palme d’Or com “Swimming Pool” e “O Amante Duplo/Double Lover”, e ele poderia estar de volta à disputa pelo principal prêmio do festival em 2020 com seu novo esforço diretorial “Verão de 85”. Ozon é conhecido por suas destemidas explorações da sexualidade, e “Summer of ’85” é puro território de Ozon, pois conta a história de um garoto de 16 anos que se afasta da costa da Normandia e é salvo por um garoto de 18 anos. Os dois garotos se tornaram amigos rápidos enquanto Ozon acompanha seu relacionamento no decorrer de um verão. Após o extremo erotismo adulto de “O Amante duplo”, os amantes de Ozon podem ficar aliviados ao ver o diretor colocando suas lentes no amor adolescente. –ZS

90948919_785962695229166_2266353791404081152_n

“Tenet” (Christopher Nolan)

Christopher Nolan não é estranho ao burburinho de Cannes. Os sucessos de bilheteria do diretor costumam abrir nos cinemas em julho, então sempre se fala que ele poderá estrear um novo esforço no Festival de Cannes. Nolan nunca estreou um esforço de direção em Cannes, mas poderia ser “Tenet” o primeiro? Ainda pode ser se Cannes planeja adiar o festival de 2020 para o final de junho, pois a Warner Bros estará abrindo “Tenet” apenas em julho. Reduzir a diferença entre uma possível estreia mundial de Cannes e a abertura teatral do filme pode aumentar suas chances de estréia mundial no festival, mas Nolan permanece imprevisível quando se trata de festivais. Uma estréia em Cannes seria apropriada para “Tenet”, pois é o filme mais internacional da carreira de Nolan: o diretor filmou o épico de espionagem em sete países. A Warner Bros. teve um sucesso esmagador ao trazer “Mad Max: Fury Road” para Cannes em 2015 (muitos pensaram que ela venceria a Palme d’Or) e “Tenet” poderia segui-lo. E talvez ainda o faça. –ZS

91042589_2259743464335028_6371770767448735744_n

“Tempo” (Garrett Bradley)

Cannes é notória por desconsiderar a não-ficção, mas documentários ocasionais se infiltram na programação, do vencedor do Palme d’Or “Fahrenheit 9/11” ao vencedor do Oscar “Inside Job”. Mesmo assim, o potencial de “Time” de Garrett Bradley em Cannes após sua estréia no Sundance manteve a aura de algo diferente: a crônica em preto e branco de Fox Rich, que passou mais de duas décadas tentando libertar o marido de uma sentença de 60 anos de prisão, proporciona uma experiência emocional única de uma das diretoras de documentários mais promissores que surgiram nesta década. Desdobrando-se através de material de vídeo caseiro e imagens pungentes de momentos subestimados na luta pessoal de Rich, “Time” transcende as fronteiras tradicionais do cinema socialmente consciente para se tornar uma janela iluminadora das baixas íntimas do sistema de justiça americano. Cannes adora filmes sobre a sociedade americana (especialmente a empobrecida sociedade americana) que usam a linguagem cinematográfica de maneiras novas e empolgantes, e o perfil internacional às vezes ajuda a esclarecer o talento em questão, indo além do apelido de “documentário”. Embora o filme tenha sido bem recebido em Sundance, ganhando o prêmio de diretora do festival e marcando um lucrativo acordo de distribuição com a Amazon, um espaço em Cannes poderia ter elevado o apelo de Bradley a uma escala global, e ela merece. —EK

“Top Gun: Maverick” (Joseph Kosinski)

Tom Cruise e Cannes podem não parecer o mais natural dos encaixes – o ator não aparece no festival para promover um de seus filmes desde “Far and Away”, em 1992 – mas o festival sempre precisa de algumas grandes estrelas no tapete vermelho, e Cruise continua sendo uma das maiores estrelas do mundo. Seu muito aguardado retorno ao drama movido a combustível de jato, “Top Gun: Maverick” possui um elenco empilhado de grandes nomes (Cruise! Jon Hamm! Jennifer Connelly!) E talentos em ascensão (de Glenn Powell a Jay Ellis, Danny Ramirez a Lewis Pullman), e poderia se beneficiar imensamente do cenário global estabelecido por Cannes. Como em “Rocketman” no ano passado, um slot de “Top Gun” poderia ajudar a catapultar o filme para seu lançamento no circuito, que estava previsto para 24 de junho. Isso não mudou, então o tempo dirá se esse possível golpe de Cannes ocorrerá. —KE

“Tre Piani” (Nanni Moretti)

O diretor italiano Nanni Moretti não é um estranho para Cannes. Seu drama intimista, “O Quarto do Filho”/”The Son’s Room”, ganhou a Palme d’Or em 2001 e atuou como presidente do júri em 2012, ano em que “Amour” de Michael Haneke levou para casa o prêmio máximo antes de ganhar cinco Indicações ao Oscar. Seu próximo filme, “Tre Piani”, é a primeira adaptação de Moretti de outro material, retirado de um livro israelense de Eshkol Nevo. Moretti muda o cenário de Tel Aviv para a Itália, contando a história de três famílias em apartamentos diferentes no mesmo condomínio, todas sofrendo crises que incluem abuso infantil, solidão e ruminações sobre um passado assombrado. As filmagens ocorreram em 2019, com o elenco incluindo Margherita Buy, Riccardo Scamarcio, Alba Rohrwacher e o próprio Moretti, então este parece pronto para ir para o circuito do festival de 2020. Rohrwacher é um dos atores mais talentosos do cinema internacional, mais recentemente roubou o programa no filme de sua irmã “Lazzaro Felice” (lançou direto na Netflix no Brasil) e se destacou como uma musa melancólica no curta “The Staggering Girl”, de Luca Guadagnino. Os filmes mais recentes de Moretti, de 2015 “My Mother” a “Habemus Papa”/”We have a Pope” de 2011, trazem humor a assuntos sérios, muitas vezes trazendo uma leveza necessária a uma Croisette repleta de filmes pesados ​​e pesados. —RL

Projeto Sem título de Adam Leon (Adam Leon)

Pode ser difícil prever quais jovens cineastas americanos serão adotados pelo comitê de seleção de Cannes, embora pareça sempre fazer sentido em retrospectiva. Os irmãos Safdie? Claro. Jeff Nichols? Por que não. David Robert Mitchell? Vale a pena arriscar. Esses diretores têm muito em comum, mas – em termos mais amplos – seus filmes casam a estilização clássica com o zelo contemporâneo. E o diretor de Tramps, Adam Leon, tem mais chances de entrar no clube. Pouco se sabe sobre o seu novo filme sem título, além do fato de ser ambientado em Nova York, e estrelar Vanessa Kirby, ainda promete apresentar a atriz de “Hobbs & Shaw” em pelo menos um novo visual inovador. Mas o filme está ainda prester a ser concluído e seria um ajuste natural para a Croisette se este projeto mantiver pelo menos uma fração da energia do que fez o trabalho anterior de Leon marcar presença com tanto frescor. —DE

90831790_198292328262670_4325023107770220544_n

“Where is Anne Frank”/”Onde está Anne Frank” (Ari Folman)

O diretor israelense Ari Folman surgiu como uma das vozes mais empolgantes da animação contemporânea com sua entrada em Cannes em 2008, “Valsa com Bashir”/”Waltz With Bashir”, um inovador documentário na técnica de rotoscopia sobre a invasão do Líbano em 1982 que levou para as telas na forma de animação e em nova e empolgante direção. Ele seguiu isso com a ousada abertura do Quinzena dos Diretores de 2013, “O Congresso Futurista”/”The Congress”, uma mistura de animação e ação ao vivo tão explorada pelo potencial assustador da tecnologia moderna que agora parece totalmente profética. Anos se passaram – nesse meio tempo, Folman criou “En Terapia”, a série israelense que inspirou “In Therapy”, da HBO – mas os fãs de seus dois últimos filmes têm se interessado em ver o que mais ele pode fazer com seu estilo distinto. Para o seu mais recente projeto, Folman abordou uma das figuras literárias mais conhecidas do século XX, dando-lhe uma plataforma totalmente nova. “Where Is Anne Frank” é retirada dos arquivos da escritora adolescente do diário mais famoso da história para fornecer uma adaptação totalmente nova de seu trágico relato de amadurecimento. A história se desenrola da perspectiva da amiga imaginária de Frank, Kitty, que se torna mais real quando Frank a aborda através de suas anotações no diário. Essa abordagem mágica tem uma boa chance de ressuscitar o rosto que ajudou a humanizar o trauma do Holocausto e, com o tempo, à medida que o número de sobreviventes vivos do Holocausto continua diminuindo. Até agora, não há nada convencional nas técnicas de Folman, o que significa que esta versão de “Anne Frank” está pronta para tornar o material ressonante sob uma nova luz, asim que mais coisas forem divulgadas. —EK

”The Woman in the window”/”A mulher na janela” (Joe Wright) Fox / Disney

O thriller psicológico no estilo “Janela Indiscreta” de Joe Wright sobre o colapso mental de uma psicóloga agorafóbica e alcoólatra (Amy Adams) já sofreu muitos adiamentos da 20th Century Studios, da Disney (ex-FOX). Adaptado do romance homônimo do autor AJ Finn em 2018, estava originalmente previsto para o lançamento da temporada de prêmios de outubro de 2019, mudou-se para 15 de maio deste ano e voltou para o éter, já que seu destino – como tantos filmes no momento – permanece desconhecido. Mas uma vaga em Cannes poderia dar a esse filme tão aguardado a chance de ressurgir das cinzas, mesmo depois de as sessões de teste deixarem os grupos focais inquietos com a resolução menos arrumada do filme.

  • Liliane Viana

    Excelente matéria! Saber quais serão os filmes (principalmente os europeus) com chances em Cannes ajuda a esquecer um pouco a pandemia e o presidente! Obrigada por traduzir ❤