Clássicos dirigidos por mulheres, grátis no Youtube

Novo canal do youtube disponibiliza filmes legendados, sob domínio público

por

13 de abril de 2018

Novo canal super legal no youtube com inúmeros clássicos dirigidos por mulheres. Todos os filmes livres e gratuitos, com direitos preservados, todos já em domínio público.
(vide link abaixo das indicações ou clique aqui e vá direto para o canal)
12916236_1107970292598683_5498970317822808990_o
Vamos a uma aulinha de História de Cinema grátis com Filmes imperdíveis e consagrados do naipe de:
 
“As Pequenas Margaridas” de Vera Chytilová, representante da nova onda Tcheca, precursora de experimentos de linguagem surrealista e de som em novas sincronias entre a imagem e o extracampo;
 
“Tramas do Entardecer/Meshes of The Afternoon” de Maya Deren, precursora da vanguarda americana;
 
“Cartas de Amor” de Kinuyo Tanaka, que foi musa em mais de 15 filmes de Kenji Mizoguchi e passou a dirigir seus próprios filmes;
 
“O Ébrio” de Gilda de Abreu, num dos maiores sucessos de bilheteria e crítica da era clássica brasileira;
 
“O Mundo Odeia-me” de Ida Lupino, um dos maiores clássicos noir de uma das únicas, quiçá, dependendo do período (década de 40), única mulher a dirigir filmes em Hollywood;
 
“A Pistoleira de Virgínia” de Lina Wertmüller, uma das únicas cineastas mulheres italianas na atividade ao mesmo tempo em que os neorrealistas clássicos, tendo sido inclusive assistente de direção de clássicos como “Oito e Meio” de Federico Fellini.
 
“Onde estão minhas crianças” de Lois Weber, precursora mais bem paga dos primórdios do cinema americano antes mesmo de seu futuro marido começar a dirigir o que se tornariam os primeiros clássicos, D. W. Griffith
 
“A Luz Azul” de Leni Riefenstahl, raro trabalho de ficção da controversa cineasta alemã mais poderosa da primeira metade do século, acusada (e inocentada em Nuremberg) de contribuir com o nazismo, mais conhecida pelos documentários temidos ao mesmo tempo que estudados profundamente na história “Triunfo da Vontade” e “Olympia”.
 
“Quando a Mulher Se Opõe” de Dorothy Arzner, outra das primeiras mulheres diretoras nos EUA, e mais uma que, durante uma década específica, a de 30, era a única mulher a dirigir filmes em Hollywood.
 
https://www.youtube.com/playlist?list=UUKjFPNgWxNn2JqVzghHF1hQ&app=desktop