Dicas internacionais para a 42° Mostra de São Paulo

Filmes multipremiados no Festival de Berlim que o Almanaque Virtual já pôde conferir, e outros em Festivais variados

por

18 de outubro de 2018

Indicações para a 42° Mostra Internacional de Cinema / São Paulo International Film Festival

Confira a lista de Filmes multipremiados no Festival de Berlim que o Almanaque Virtual já pôde conferir, e outros em Festivais variados:

touch-me-not

1. Não Me Toque – 10

Um dos mais controversos Urso de Ouro em Berlim.
Foi a sessão que mais saiu gente no meio do filme, e ainda rolou mil brigas nas sessões — tinha gente que reclamava de quem ria…todo mundo tão tenso com o constrangimento intencional que o filme provoca.
Mas eu AMEI
O filme NÃO é sobre Sexo! É sobre nossa incomunicabilidade e incapacidade de comunicação, apesar do foco no toque como âncora. Também NÃO é documentário !!!! Muito jornalista achou isso em Berlim e levou toco da diretora romena Adina Pintilie. Pra vocês verem, a atriz principal está tão bem (Laura Benson de “Ligações Perigosas”) que algumas pessoas acharam que a história que ela vive fosse verídica (quando na verdade a maior parte da construção de sua personagem vem de neuroses da própria diretora).
O filme tem uma construção interessantíssima de docuficção onde a diretira Adina pediu um diário íntimo feito durante a produção por cada membro, e todos iam trocando entre si e vencendo as paranoias e neuroses uns dos outros.
Sem falar que o filme esteticamente é muito bem bolado.

Confira crítica em vídeo na Berlinale:

Coletiva com a diretora:

2. 3 Dias em Quiberon – 8
Belíssima semi biografia dos últimos dias de vida da atriz Romy Schneider. A protagonista arrasa e a fotografia P&B ajuda muito na imersão, artisticamente inspirada num ensaio fotográfico feito com a atriz por um famoso amigo fotógrafo antes de morrer.

Confira crítica:

3. A Prece – 4

Odeioooo este filme doutrinatório e lobotomizador que simplesmente não apresenta conflito nem tensão nem anti-tese nenhuma e vende a fé como solução absurda pra tudo, mas o ator principal está de fato ótimo….

4. John Mcenroe: No Império na perfeição – 10

Que documentário fora da caixinha esse. BRILHANTE!
Analisa criticamente um estudo imagético do movimento corporal através do tenista famoso Mcenroe em todas as suas analogias com o estudo cinematográfico. Ou seja, como a autoconsciência de corpo e jogo do brilhante jogador traduz perfeitamente em suas regras e idiossincrasias o que é o estudo da imagem em movimento e do que é ser cinema. Tênis é cinema!

5. O Nome do meu irmão é Robert e ele é um idiota – 3

Filme metido a intelectual, existencialista e surrealista, tudo ao mesmo tempo, e tão vazio e equivocado quanto sua pretensão. Mas devo dizer que algumas pouquíssimas pessoas em Berlim o tiveram como favorito. Mas eu não o suportei.

6. O Imóvel – 9

Que filme deliciosooooooo. Pega toda a linguagem e estilo de filmes como “Drive” e “Bom Comportamento” com suas trilhas eletrônicas em sintetizadores emulando tensão e ritmo, além da crescente violência psicológica e o faz com uma protagonista da terceira idade de rendimento EXCEPCIONAL. Tenso e violento.

Confira crítica em vídeo:

7. O Rosto – 7.5

Filme divertido e às vezes emocionante (principalmente uma cena catática perto do final com direito à música tema e uma dancinha que vai fazer muita gente chorar — admito que chorei também). Mas….não achei para tanto ao ponto de ganhar Grande Prêmio do Júri na Berlinale. Da mesma diretora de “Body”, que já foi sensação na Mostra.
PS. Tem homenagem ao nosso Cristo Redentor brasileiríssimo no filme. A diretora adoraaaaa o nosso país, pois Body também nos referenciava.

Confira crítica em vídeo:

E trecho da coletiva:
https://www.youtube.com/watch?v=wu-0Tw7bdVQ

8. Utoya – 6

Filme tensão que espetaculariza o sofrimento alheio mas sem tutano o suficiente para transformar estilo sádico em denúncia pungente. Mas é um dos melhores usos de som que vimos em Berlim. Encare como uma montanha russa masoquista…

Confira crítica em vídeo:

Confira trecho da coletiva do filme

Coletiva de Touch Me Not ao ganhar o Urso de Ouro: