Festival do Rio 2016: Reflexões expressionistas sobre uma noite de excelência feminina na Première Brasil

Um fecho vigoroso para a Première.

por

14 de outubro de 2016

Iniciado com uma reflexão sobre inquietações femininas chamado “Vermelho Russo”, a Première Brasil 2016 exibiu na noite desta quinta, dia 13, o último dos longas de ficção em competição para o Troféu Redentor, flertando uma vez mais com a afirmação da força das mulheres. O derradeiro concorrente exibido foi a produção gaúcha “Mulher do Pai”, “muito bem” dirigido pela cineasta Cristiane Oliveira, centrada na relação de reaproximação afetiva entre um ex-desenhista que ficou cego e sua filha adolescente. O principal papel masculino é atribuído ao ator Marat Descartes, cuja composição delicada para um sujeito que ficou chucro com as cacetadas da vida pode lhe valer, com méritos, o Redentor de melhor ator. Verônica Perrotta, atriz uruguaia, interpreta a professora de artes da protagonista, Nalu, vivida por Maria Galant. E Verônica é a candidata de melhor e maior vigor ao troféu de coadjuvante deste evento.

Na reta final do festival, o melhor curta brasileiro selecionado teve uma noite de gala. “O Homem da Raia do Canto”, de Cibele Santa Cruz, é uma comédia sobre amores com toques truffautianos e bons desempenhos de Cadu Fávero e Georgiana Góes.

Confira outros vídeos no canal oficial do Almanaque no You Tube:

https://www.youtube.com/user/almanaquista