Filhos da Dinamarca

Distopia na Dinamarca, realidade no Brasil

por

22 de outubro de 2019

“Filhos da Dinamarca” de Ulaa Salim: Altamente recomendo esse filme na 43° Mostra Internacional de Cinema de São Paulo com uma história distópica que nos faz refletir sobre a polarização que andamos vivendo até no Brasil, e que o cinema nos solicita um posicionamento em prol da democracia e da humanidade! Sem falar numa das melhores atuações masculinas de todo o festival na interpretação de Zaki Youssef.

E Zaki Youssef ainda brilha muito por “Filhos da Dinamarca” de Ulaa Salim, merecendo um texto à parte — O que é Zaki?! Que força da natureza! Que mergulho de imersão de personagem e autodescoberta identitária junto com o espectador. Em primeiro lugar, porque o filme possui 2 protagonistas, sendo que um é coadjuvante do outro em suas respectivas metades, e sendo também que o filme não começa com Zaki. Em segundo lugar, porque é assim que se revela todo o seu talento no giro Copérnico com que segura as rédeas das reviravoltas, para que a história se volte para ele em sua visão ambígua de mundo — até que tanto ele quanto o espectador sejam obrigados a precisar escolher qual caminho irão tomar. Basta dizer que o Brasil polarizado de hoje irá se identificar, e que a sessão acabou com gritos terapêuticos de “Fora Bolsonaro”!

IMG_20191022_002411_867