Filmes de segunda

Volta às origens de Steven Seagal num dia com Al Pacino e Sidney Lumet

por

27 de outubro de 2014

Scarface

“Scarface”. De Brian De Palma (EUA, 1983)

Filmado majoritariamente na Flórida, com locações na Califórnia e em Nova York, ao custo de US$ 25 milhões, “Scarface” virou a obra mais influente (e festejada) de Brian De Palma por funcionar como épico acerca do degredo hispano-americano nos EUA. Com um faturamento estimado em US$ 65 milhões, a produção teve base em um fato histórico: a fuga de centenas de cubanos de Havana, que partiam para Miami à cata de uma vida de liberdade. O filme foi uma derivação do cultuado “Scarface – A vergonha de uma nação” (1932), de Howard Hawks, no qual o gangsterismo era discutido como sequela política. Dublado no Brasil por Nelson Batista, Al Pacino vive Tony Montana, um cubano que aporta nos EUA, em Miami, e faz história no tráfico às custas de sua ira. A fotografia de John A. Alonzo (“Chinatown”) valoriza o perfil suarento de bandidos vividos por Steven Bauer e Robert Loggia.

FX, 15h30m

Scarface

Nico – Acima da Lei

“Above the law”. De Andrew Davis (EUA, 1988)

Esnobado pelo mercado editorial brasileiro, o livro de ensaios “Seagalogy: A study of the ass-kicking films of Steven Seagal” (Titan Books), do crítico Vern, levanta a tese de que o astro de pérolas como “A força em alerta” (1992) e “Difícil de matar” (1990) é uma metáfora perfeita do heroísmo da América contemporânea: ou seja, é decadência viva. Balofo há quase duas décadas, longe da silhueta esquálida que ostentava nos anos 1980, Steven Frederic Seagal – nascido em 10 de abril de 1952 em Lansing, Michigan – desistiu das salas exibidoras desde 2000 e passou a lançar seus filmes diretamente em DVD, com base na queda da venda de ingressos de longas de ação. Teve uma experiência bem-sucedida no reality show “Steven Seagal: Lawman”, que segue no ar desde 2009, e arriscou ainda o seriado “True Justice”, produzido de 2010 a 2012. Mas sua carreira despontou com este thriller que o TCM exibe hoje. No auge da forma, o ator, dublado por André Filho, encarna o tira honestíssimo Nico Toscani, que, ao desbaratar uma quadrilha de traficantes, revê um inimigo das antigas, de seus tempos de Vietnã.

TCM, 22h

Nico Above the law

Sombras da Lei

“Night falls on Manhattan”. De Sidney Lumet (EUA, 1997)

Nascido em Havana, Cuba, em 1956, mas radicado nos EUA desde guri, Andrés “Andy” Arturo García Menéndez injeta dor neste drama jurídico do diretor de “Um dia de cão” (1975). Com base em romance de Robert Daley, esta produção colocar Andy Garcia na pele de Sean Casey, um jovem e idealista advogado, nomeado pela promotoria de Nova York para o julgamento de um chefão do tráfico de drogas acusado de matar um policial. Esse assassinato pode estar ligado a seu pai, Liam (Ian Holm). Seu maior rival será o jurista interpretado por Richard Dreyfuss.

Rede Globo, 2h

Sombras da Lei