Filmes na TV – Dicas de Quinta-Feira

Dicas na programação da telinha.

por

23 de outubro de 2014

Um conto chinês

Um conto chinês

“Un cuento chino”. De Sebastián Borensztein (Argentina, 2011)

De carona na bilheteria mastodôntica que arrecadou em sua Argentina natal, esta comédia agridoce orçada em cerca de US$ 5 milhões fez cerca de um milhão de brasileiros correrem aos cinemas para conferir o talento de Ricardo Darín. Ator número um de seu país, ele brilha absoluto aqui no papel de Roberto, dono de uma loja de ferragens. Recluso e temperamento estourado, ele evita toda a sorte de sociabilização. Diverte-se cultivando o hobbie de colecionar notícias incomuns. Mas a tranquilidade com que leva sua vida é interrompida quando se vê obrigado a ajudar um chinês (Ignacio Huang), incapaz de falar uma só palavra em espanhol. Ao auxiliar o rapaz, Roberto passa sua intolerância em revista e entra em uma jornada de redenção.

Telecine Cult, 16h20m

Jaws Tubarão 1975 SS

Tubarão

“Jaws”. De Steven Spielberg (EUA, 1975)

Responsável por uma reestruturação na indústria audiovisual no auge do cinemanovismo americano, este thriller marítimo custou US$ 7 milhões e arrecadou assombrosos US$ 470 milhões, transformando Steven Alan Spielberg em um Midas. Três Oscars (melhor som, melhor edição e melhor trilha sonora) coroaram o projeto, rodado parcialmente na Austrália, com locações em Massachusetts e na Califórnia. Dublado no Brasil por Élcio Romar, Roy Richard Scheider (1932-2008) vive um policial encarregado de manter a Lei em um balneário aterrorizado pela aparição de um tubarão branco faminto. Um oceanógrafo (Richard Dreyfuss) e um pescador (o dramaturgo Robert Shaw, em atuação memorável) vão ajudar o tira a deter o peixão assassino. A trama é baseado em romance de Peter Benchley.

FX, 22h30m

o homem sem sombra Hollow Man

O homem sem sombra

“Hollow Man”. De Paul Verhoeven (EUA, 2000)

Realizador exercícios de provocação com aura de cinema-pipoca como “RoboCop” (1987) e “Instinto selvagem” (1992), o holandês Paul Verhoeven desfrutou de toda a admiração dos executivos de Hollywood até o dia em que fez “Showgirls” (1995). O injusto fracasso de seu drama erótico jogou uma maldição sobre carreira, relegando-o ao limbo. Seu último esboço de sucesso foi este thriller sci-fi sobre a onipotência moral da ciência, que consumiu US$ 95 milhões para sair do papel e faturou US$ 190,2 milhões. Dublado no Brasil por Hércules Fernando, Kevin Norwood Bacon interpreta Sebastian Caine, um cientista ambicioso que inventa uma fórmula de invisibilidade, testada em seu próprio corpo. Mas não é só seu corpo que some: sua sanidade desaparece também. Quem vai pagar o pato é sua colega e ex-namorada Linda (Elisabeth Shue).

Rede Globo, 2h20m