Filmes na TV para a noite desta quinta

A obra-prima interestelar de Stanley Kubrick projeta nossa imaginação para o espaço e Charles Dickens nos traz de volta à realidade

por

06 de novembro de 2014

2001 Uma odisseia no espaço aaaa

2001 – Uma odisseia no espaço

“2001: a space odyssey”. De Stanley Kubrick (EUA/ Reino Unido, 1968)

Estreou hoje um dos longas-metragens mais esperados de 2014: “Interestelar”, do genial Christopher Nolan, cuja inspiração foi a obra-prima de Stanley Kubrick (1928-1999). Pedra filosofal capaz de verter selvageria em intelecção, o monolito deixado na Terra pelos extraterrestres de “2001: Uma odisseia no espaço” (“2001: A space odyssey”) ensinou a ficção científica a filosofar pela cartilha de Friedrich Wilhelm Nietzsche (1844-1900). Avaliando questões como o eterno retorno, Kubrick pensou o projeto como uma experiência não-verbal. Só depois dos primeiros 30 minutos, palavras são pronunciadas: no caso “Aqui estamos”. Dos 141 minutos, só uns 40 têm diálogos. No prólogo, ao som de Strauss, o cineasta mostra primatas às voltas com a descoberta da violência A matéria-prima foi o conto “The sentinel”, do escritor Arthur C. Clarke (1917-2008), coautor do roteiro. Com US$ 10,5 milhões para gastar, Kubrick filmou de 29 de dezembro de 1965 a 7 de julho de 1966, no Shepperton Studios, em Surrey, na Inglaterra, e nos estúdios britânicos da MGM, em Borehamwood, além de locações na Escócia e no Monument Valley (EUA). Com uma bilheteria global de US$ 190 milhões, o longa-metragem venceu o Oscar de efeitos visuais. Ambientado em um 2001 futurístico, o filme narra a viagem espacial da equipe do astronauta Dave Bowman (Keir Dullea), a bordo de uma nave capitaneada pelo computador HAL-9000 (na voz de Douglas Rain, dublado aqui por Márcio Seixas). A missão de Bowman é investigar a aparição de uma suposta pedra energética na superfície da Lua — a mesma que surgiu na Terra na pré-História. Na viagem, o HD de HAL enlouquece e sai matando seus tripulantes até que Bowman aprende como virar o jogo em prol da Humanidade. Na versão brasileira, Hércules Fernando dubla Dullea.

TCM, 22h

Grandes esperanças 131313

Grandes esperanças

“Great expectations”. De Alfonso Cuarón (EUA, 1997)

No mesmo espaço onde Kubrick esculpiu “2001” e Christopher Nolan ergueu seu “Interestelar”, o mexicano Alfonso Cuarón Orozco arrancou a matéria-prima de seu obrigatório “Gravidade” (2013), sci-fi pelo qual ele alcançou consagração e o Oscar de melhor direção este ano. Mas bem antes de singrar entre as estrelas,  o realizador de “E sua mãe também” (2001) enveredou-se pela literatura anglo-saxônica, chegando à prosa de Charles Dickens, e extraiu dela a argamassa desta love story de doer na alma por tempo indeterminado. Ethan Hawke tem um desempenho irrepreensível como o órfão Finnegan Bell. Quando pequeno, ele salva um homem misterioso (Robert De Niro) e percebe que este é um criminoso. O sujeito some e, sem saber como, Finnegan, que levava uma infância miserável, começa a receber apoio financeiro, sem saber como. Ele resolve estudar para aprimorar seu maior dote: o desenho. Mas todo o seu amadurecimento será assombrado pela paixão avassaladora que ele sente pela loura Estella (Gwyneth Paltrow, no auge da gostosura). A impossibilidade amorosa entre eles rende sequências de um lirismo doído, numa transposição do enredo do século XIX para a América dos anos 1990. O também mexicano Emmanuel Lubezki assina a fotografia desta pérola.

Rede Globo, 2h