Internet – O Filme

Filippo Capuzzi Lapietra reúne youtubers em filme sobre o mundo virtual

por

22 de fevereiro de 2017

O sucesso dos youtubers é inquestionável. Os números de inscritos nos diversos canais da plataforma são astronômicos e a influência dos seus criadores sobre uma geração que praticamente não assiste mais à TV convencional, crescente. O conteúdo dessa produção nem sempre (quase nunca) tem algo a acrescentar na (in)formação do público, mas é preciso admitir que essa turma consegue se comunicar com sua audiência de um modo que a velha mídia nunca conseguiu e parece ainda distante de alcançar.

Internet – O filme

Internet – O filme

Nesse aspecto, “Internet – O filme”, do diretor Filippo Capuzzi Lapietra, promete ser um deleite para os adolescentes que diariamente rendem milhões de views para essas web celebrities. Na trama, dezenas de youtubers, entre aspirantes ao sucesso e nomes já consolidados, reúnem-se em uma convenção voltada para o universo virtual. O evento, uma oportunidade única para aqueles que buscam o estrelato, vira de pernas para do ar quando a sua maior estrela começa a perder popularidade e se vê obrigada a correr atrás do prejuízo, enquanto os demais participantes perseguem a tão almejada fama.

Internet – O filme

Internet – O filme

O filme de Lapietra até tenta satirizar algumas das críticas mais comuns que seus protagonistas sofrem, como a falta de conteúdo, o imediatismo do mundo virtual e a efemeridade das redes sociais, mas o faz de maneira rasteira, abrindo mão da reflexão crítica tão relevante ao humor. Com roteiro assinado por Rafinha Bastos, Dani Garuti e Mirna Nogueira, o filme funciona na maior parte do tempo como um libelo de defesa do seu elenco, promovendo seus atores e evitando a todo custo uma autoanálise que coloque na berlinda a qualidade da produção maciça de vídeos diários e os preconceitos que dão estofo à maioria das manifestações desses artistas, aqui presentes em diversas passagens.

Internet – O filme

Internet – O filme

“Internet – O filme” tem aspectos positivos, como o plano sequência que inaugura a película e a linguagem antenada com as gags visuais que costumam ilustrar os vídeos do youtube, mas, de um modo geral, nada tem a acrescentar, a não ser a sensação de tempo perdido.

Avaliação Celso Rodrigues Ferreira Junior

Nota 2
  • Vinícius de Souza

    Gostei da crítica. Realmente o filme não acrescenta nada ao público e não levanta nenhuma reflexão sobre essa vida de criadores. O filme perde o ritmo algumas vezes e fica cansativo de assistir, mesmo tendo esse elenco.