Los Conductos

Experimentação distópica com registro documental

por

14 de outubro de 2020

Los-Conductos_-Still_3_Copyright-5a7-Films-mutokino-If-you-hold-a-stone-montañero-cine-2020-scaled 1541594788editor_losconducto

Dentre produções que descentralizam os polos cinematográficos para regiões menos contempladas por editais e financiamento público como do Pará ao Ceará, de Alagoas ao Goiás, daremos algumas dicas para que nossos leitores possam fazer suas próprias programações no 9º Olhar de Cinema – Festival Internacional de Cinema de Curitiba. Com destaque igualmente para algumas coproduções internacionais, como “Los Conductos” de Camilo Restrepo, filme da Colômbia com o Brasil e a França, ganhador do prêmio GWFF na Mostra Encounters da Berlinale 2020.

“Los Conductos” de Camilo Restrepo cria analogias visuais distópicas a partir do tempo presente, aproveitando o olhar microscópico sobre instituições do cotidiano, como uma fábrica de camisetas, para criar distorções delirantes que podem existir apenas na cabeça do protagonista. A narrativa é permeada de relatos em off que aludem a uma facção patriarcal paralela ao Estado, igualmente hierarquizante, que pode parecer libertadora, mas pode ser tão aprisionadora quanto. E por isso o protagonista decide se voltar contra a facção da qual fazia parte, de forma a emancipar o indivíduo perante o coletivo, a destruição perante a recriação (algo muito atinado com olhar crítico perante o mito formador da sociedade colombiana a partir das forças milicianas e das FARC, elementos indissociáveis do estudo e análise populacional histórico cultural do país, que foi forjado a ferro e fogo entre a repressão e a revolução se alternando em poder e influência).

E isto será traduzido no contraste entre cenas coloridas e outras extremamente escuras, imersas no breu intencional, em meio ao qual o personagem principal emerge de forma pantomímica quase como num teatro. Um interessante devaneio futurista com pegada realista, onde um túnel pode ser uma viagem dimensional à la Adirley Queirós (“Branco Sai, Preto Fica”), e o buraco de um interruptor pode ser uma janela para a iluminação, usando a precariedade criativamente a seu favor.

“Los Conductos” é um filme com pegada distópica experimental, bem interessante, mas indico que os cinéfilos assistam de forma bem descansada… porque tem também sua dose de introspecção. E sua linguagem é a base da minha pesquisa atualmente, sobre registros documentais com linguagem de cinema de gênero. Então, pra mim, o filme se encaixou como uma luva em meus estudos recorrentes. E a interpretação do protagonista é igualmente digna de nota.

403729-medium