Malmkrog

Estética da exaustão

por

03 de novembro de 2020

Vale ressaltar que alguns novos trabalhos de cineastas consagrados presentes na 44° Mostra de SP também dividem opiniões, como o romeno Cristi Puiu das obras-primas “A Morte do Sr. Lazarescu” (2005) e “Sieranevada” (2016).

Puiu volta com “Malmkrog”, uma narrativa exaustiva de mais de 3 horas calcadas em puro diálogo austero e sisudo sobre guerra, filosofia e religião numa mansão na Transilvânia do século XIX. Na trama: um latifundiário, uma condessa, um militar e um político se reúnem numa grande propriedade para discutir morte, progresso, moralidade e guerra.

 

Com mise-en-scène teatral e ascética, as discussões acaloradas mais parecem monólogos de tão extensos (quase sem contraplanos)…Vale dizer que a estética da exaustão é intencional, e até gera uma grande catarse no meio do filme, uma vez que você descobre que os capítulos narrativos não estão dispostos necessariamente em ordem cronológica – mas o espectador é obrigado a aturar a proposta até o fim, sem nenhum alívio, para receber tal recompensa, numa via de mão única.