Top Melhores atuações na 43° Mostra SP até agora

Confira os melhores atores e atrizes dos filmes já exibidos na Mostra Internacional de Cinema de São Paulo

por

21 de outubro de 2019

Estamos sem fôlego! Acabamos de ver não apenas um dos MELHORES filmes da 43° Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, como um dos MELHORES DO ANO:

“System Crasher” de Nora Fingscheidt
(Representante da Alemanha ao Oscar 2020)

E isso me faz trazer pra vocês outra lista hoje, o TOP 3 melhores atuações femininas e masculinas, que com certeza estarão no meu top 10 ao final, pois cada uma eleva o patamar da interpretação do seu próprio jeitinho:

Em primeiro lugar, vamos às principais interpretações femininas, já que hoje vimos 2 filmaços com protagonistas gigantes:

Screenshot_20191020-211716_Google

1) Helena Zengel por “System Crasher” — e dificilmente ela perderá este pódio para qualquer outra atriz. QUE ATUAÇÃO! E é só uma criança! Ou melhor, uma prodígio! Isso é mais do que uma interpretação, é uma encarnação, pois mais parece que ela canalizou uma entidade ali. Não deve ter sido um preparador de elenco e sim um exorcista, pra conseguir com que ela incorporasse essa possessão e depois tirasse o diabo da carne, que demonstra toda a revolta que a negligência social pode causar num período de formação tão especial para uma criança.

2) Haley Bennett por “Devorar” de Carlo Mirabella-Davis, em sua estréia como diretor. O filme é esteticamente muito bem resolvido em sua proposta plástica e, ainda que introduza e compartimente cada seção do filme de forma quase capitular, apresentando as manias obsessivas por devorar coisas em sintonia com as mudanças na vida da protagonista, o fato é que nada consegue ficar no caminho da interpretação de Haley. A atriz tinha um papel menor que a fez ficar famosa no filme “Letra e Música” anos atrás, mas foi com este longa que protagonizou de fato uma revelação nos cinemas. Tanto que ganhou melhor atriz no Festival Tribeca (onde o filme também saiu com melhor roteiro para o début do diretor). A evolução de personagem dela supera qualquer corte impreciso das passagens capitulares e entrega algo realmente potente, implosivo, com sutilezas e minúcias.

3) Mélissa Guers por “A Garota com a Pulseira” de Stéphane Demoustier, neste que é o novo filme francês de tribunais que esfacela com a instituição familiar ante valores moralistas, como “Custódia” fez ano retrasado. E a atuação de Mélissa caminha no mistério do olhar calejado de modo a não entregar nem inocência nem culpa ante o julgamento social — mantendo a dúvida até o fim, como grandes filmes do naipe de “Testemunha de Acusação” com Marlene Dietrich (a comparação foi com o filme, e não com a atriz, ainda que ambas encarnem em comum uma sexualidade bissexual e não binária bastante intrigante).

FB_IMG_1571547314118

Agora vamos falar dos homens, pois eles não estão sendo nem um pouco eclipsados por elas:

1) Song Kang-Ho por “Parasita” — O ator assinatura do cineasta Bong Joo-Ho ataca de novo, em seu melhor rendimento. O que de início parece apenas uma caricatura de patriarca de uma família de classe baixa, que aplica pequenos golpes para sobreviver, vai saindo do pastiche e do lugar de coadjuvante dos personagens de seus filhos para se tornar um protagonista sem igual. O trabalho na diferença de classes através dos sentidos humanos, do toque ao paladar e especialmente o olfato vai tridimensionalizando a história toda como um funil que precisa passar por Song obrigatoriamente para tornar essa grande mise-en-scène em algo ainda maior. Um dos melhores filmes do ano, e atuação também.

2) Zaki Youssef por “Filhos da Dinamarca” de Ulaa Salim — O que é Zaki?! Que força da natureza! Que mergulho de imersão de personagem e autodescoberta identitária junto com o espectador. Em primeiro lugar, porque o filme possui 2 protagonistas, sendo que um é coadjuvante do outro em suas respectivas metades, e sendo também que o filme não começa com Zaki. Em segundo lugar, porque é assim que se revela todo o seu talento no giro Copérnico com que segura as rédeas das reviravoltas, para que a história se volte para ele em sua visão ambígua de mundo — até que tanto ele quanto o espectador sejam obrigados a precisar escolher qual caminho irão tomar. Basta dizer que o Brasil polarizado de hoje irá se identificar, e que a sessão acabou com gritos terapêuticos de “Fora Bolsonaro”!

3) Albrecht Abraham Schuch por “System Crasher de Nora Fingscheidt — um ator que era o típico galã de filmes alemãs genéricos de época e que, de repente, abraça a visceralidade do projeto e é em muito auxiliado pelas catarses geradas por Helena Zengel. E olha que ele segura as pontas de contracenar com esta aparição cênica que é a presença mística de Helena, quase um meteoro.

Menções honrosas:

“Atriz”: Hatidze por “Honeyland” de Tamara Kotevska que, à despeito de ser um documentário com roteiro ficcionalizado, e de Hatidze não ser uma atriz profissional, o que ela faz na tela é inigualável. A persona e a presença dela são química pura, e podemos chamá-la por designações mais modernas de “artista social”, até porque de fato esta incrível encantadora de abelhas tem muito a nos ensinar sobre a vida — abelhas comunistas maravilhosas, diga-se de passagem, pois existe uma regra na apicultura: deve-se pegar só metade do mel, e deixar o resto para as abelhas. — E se não aprendermos isso nem na marra, o desequilíbrio do ecossistema num caminho só de ida irá levar à destruição do planeta. Hatidze, neste sentido, é até uma super-heroína da vida real.

Ator: Thanawut Kasro por “Empuxo” de Rodd Rathjen. — ele pode ser apenas um coadjuvante (e eu nem adorei o filme tanto assim), mas o trabalho de Thanawut encarnando uma espécie de Capitão Ahab obcecado e psicótico no navio onde ocorrem as atrocidades inspiradas em fatos reais denunciadas pelo filme. E, mesmo que eu não concorde eticamente com algumas questões da obra em si e com a exotificação do sofrimento alheio, ainda mais sem tridimensionalizar o protagonista para que ele não fosse apenas mais um dado perdido dessas denúncias despersonalizadas, é principalmente a relação dele de pupilo/tutor com Thanawut que seguram o filme até o final. Parabéns para o ator que tirou leite de pedra de um arquétipo que tinha tudo para ser um mero vilão maniqueísta.