Morre cineasta ucraniana Kira Muratova

Uma das cineastas de língua russa mais respeitadas, faleceu aos 83 anos em Odessa

por

08 de junho de 2018

O mundo do cinema ficou um pouco mais triste ser informado na quarta-feira do dia 06 de junho de 2018 do falecimento da cineasta Kira Muratova.  Uma das cineastas de língua russa mais respeitadas, faleceu aos 83 anos em Odessa, anunciou a agência ucraniana de cinema. Em 1989, Kira Muratova recebeu o prêmio especial do Festival de Cinema de Berlim com o filme “A síndrome astênica”. Cinco anos mais tarde, recebeu um prêmio especial pelo conjunto de sua obra no Festival de Locarno.

Além de que no BAFICI desse ano rolou uma retrospectiva dela. Grande diretora. Texto do Roger Koza sobre ela:  http://www.conlosojosabiertos.com/estado-animo-cine-kira-muratova/

Screenshot_20180608-001122

Eis uma cineasta de extrema importância e relevância histórica, além de um enorme poder de linguagem de vanguarda ímpar, que muito cinéfilo e estudantes ou mesmo profissionais de cinema ainda desconhecem.

Para facilitar, um pouco de contexto, curiosamente e não por coincidência, nas palavras de um dos curadores do Olhar de Cinema – Curitiba Int’l Film Festival, Aaron Cutler, que havia sido o único a realizar uma Mostra sobre a diretora no Brasil até a pesquisadora Nina Tedesco trazer de volta os filmes da cineasta numa Mostra sobre Diretoras Russas. O curador Aaron Cutler, à época da primeira Mostra retromencionada sobre ela, já chamava atenção para o estranhamento que os filmes da diretora provocam no espectador. Falando de sua obra-prima, “Síndrome Astênica”, ele comenta: “O filme, tal como muitas das melhores obras de Muratova, contém uma tensão que faz com que as pessoas, inicialmente mais rígidas, tornem-se mais abertas ao mundo que as rodeia e, ao encontrarem satisfação nesse processo, consigam seguir cada vez mais adiante.”

Confira o link com o texto completo:
http://www.indiefestival.com.br/2015/program.php?id=5&l=pt
E uma resenha sobre a filmografia da autora pelo crítico Carlos Alberto Mattos:
http://criticos.com.br/?p=7510&cat=2