Música Para Quando As Luzes Se Apagam

A importância do tema se esvai no sensorialismo

por

18 de setembro de 2017

um longa-metragem curioso, porém de muitos questionamentos necessários: “Música Para Quando As Luzes se Apagam” de Ismael Caneppele (roteirista do multipremiado “Os Famosos e Os Duendes da Morte”) é um filme mais sensorial do que narrativo, aludindo a querer falar sobre a questão trans, de suma importância em uma edição do Festival que se importou bastante em realçar isso, mas acaba derrapando na contradição do próprio discurso de seu cineasta. Tudo bem que quando o filme fica pronto, ele se liberta de seus criadores e vira do mundo, mas parte deste discurso quando muito equivocado pode ser identificado até mesmo nas linguagens do filme enquanto assistimos sem nem precisar escutar nenhuma das palavras do próprio diretor.

musicapara-zeppelinfilmes (1)

Infelizmente, tanto diretor quanto a câmera ao retirar a fala da personagem da atriz não-profissional Emelyn Fischer e transformá-la em um corpo num constante movimento de câmera em prol de uma bela fotografia, porém em detrimento do próprio lugar de fala dela, vai tornando-se vazio e incompleto. E isto é especialmente desvelado quando se insere a personagem de Julia Lemmertz que, independente da excelente atriz que é, e de emprestar enorme carisma à persona de parecer interpretar a si mesma, acaba exotizando a protagonista. Julia jamais tem uma explicação específica para estar ali, apenas a de ser uma artista em contato com aquela realidade que se descortina de uma jovem que vai assumindo a identidade de um menino, ‘Bernardo’, e ela a acompanha para debater algumas fases e ajudar com que se sinta à vontade.

A química com Julia é inegável, mas isso se deve a forte presença em cena da mesma, e alguns quadros do filme são de beleza ímpar, como as cenas do bambolê de neon que iluminam beijos de liberdade, porém acabam como belos fragmentos poéticos num devaneio interessante e difuso, às vezes pretensioso, que soa leigo e até um pouco como um retrocesso frente a posição atual da teoria queer que luta por avanços pela não-binariedade e liberdade de fluidez da sexualidade na igualdade de direitos das diferenças.