Não Me Toque (42° Mostra de SP)

Desconforto intencional e esteticamente fascinante sobre nossos tabus indizíveis

por

23 de outubro de 2018

“Não Me Toque” da cineasta romena Adina Pintilie, documentarista por excelência em sua primeira incursão pela ficção (docuficção, para ser mais preciso, na verdade) – Nota 💯 !

Screenshot_20181023-132120

Um dos mais controversos vencedores do Urso de Ouro na história do Festival de Berlim, agora sendo o mais polêmico filme da 42° Mostra Internacional de Cinema de São Paulo (só perdendo talvez este posto para o famigerado e persona non grata “A Casa que Jack Construiu” de Lars Von Trier). Quanto mais escuto o maior número de reações nesta edição da Mostra de São Paulo advindas deste filme, reações completamente díspares e opostas em relação à recepção do desconforto intencional gerado, sendo que ninguém consegue sair incólume ou indiferente à sessão, eu fico mais e mais fascinado pela importância com que esta obra se AGIGANTA perante este momento paradigmático que vivemos.

Screenshot_20181023-132140

Foi a sessão que mais saiu gente no meio da projeção no Festival de Berlim este ano, e ainda rolou mil brigas nas sessões — tinha gente que reclamava de quem ria… de tão tenso que o público fica com as ferramentas desconcertantes dentro de nós que o filme provoca por não assumirmos nossos próprios tabus, o que dirá os de nossos próximos.

Screenshot_20181023-132041

Que fique claro desde já: O filme NÃO é sobre Sexo! É sobre nossa incomunicabilidade e incapacidade de intimidade, apesar do foco no toque como âncora. Também NÃO é um documentário propriamente dito!!!! Muito jornalista achou isso em Berlim e levou toco da diretora romena Adina Pintilie. Pra vocês verem, a atriz principal está tão bem (Laura Benson de “Ligações Perigosas”) que algumas pessoas acharam que a história que ela vive fosse verídica (quando na verdade a maior parte da construção de sua personagem vem de neuroses da própria diretora).

touch-me-not

O filme tem uma construção interessantíssima de docuficção onde a diretira Adina pediu de cada membro do elenco e equipe um diário íntimo feito durante a produção por cada membro, e todos iam trocando entre si e vencendo as paranoias e neuroses uns dos outros em conjunto, através de várias oficinas e laboratórios através dos quais formou duplas e grupos que vemos no filme.

Screenshot_20181023-132210

Sem falar que o filme esteticamente é muito bem bolado e enche os olhos com as decisões estilísticas de linguagem de sua diretora.

Confira crítica em vídeo na Berlinale:
https://www.youtube.com/watch?v=4jTuO_wshdU

Coletiva com a diretora:
https://www.youtube.com/watch?v=VcmURvgcsgU

https://www.youtube.com/watch?v=fuNdMUX1dJI