‘Neve Negra’

Protagonizado por Ricardo Darín, longa é uma das estreias desta quinta-feira, dia 08.

por

06 de junho de 2017

Drama familiar e mistério estão reunidos em “Neve Negra”, produção argentina e espanhola ambientada nas colinas geladas da Patagônia, onde dois irmãos se encontram para um ajuste de contas. Passado e presente estão na narrativa para alinhavar os fatos que envolvem o assassinato do irmão mais novo. Salvador (Ricardo Darín), acusado do crime na adolescência, vive isolado e recebe a visita do irmão Marcos (Leonardo Sbaraglia) e da cunhada Laura (Laia Costa). Em questão, a venda das terras de herança da família. Salvador não está disposto a fazer o negócio. Ele não está disposto a fazer qualquer tipo de negócio com o irmão.

Ricardo Darín e Leonardo Sbaraglia vivem dois irmãos que precisam acertar as contas do passado (Foto: Divulgação).

Ricardo Darín e Leonardo Sbaraglia vivem dois irmãos que precisam acertar as contas do passado (Foto: Divulgação).

Segundo longa de Martin Hodara, parceiro constante de Ricardo Darín em outras produções como diretor (O Sinal) e assistente de direção (Nove Rainhas e Aura). Hodara dirigiu e escreveu com Leonel D’Agostino, a trama que envolve a plateia no ambiente inacessível refletido nos personagens, incluindo a irmã Sabrina (Dolores Fonzi), internada numa instituição de doentes mentais. Um duelo entre vítima e assassino, ativado pelo passado e o interesse prático pela herança.

Protagonizado por Ricardo Darín, este drama familiar teve cenas rodadas na Patagônia (Foto: Divulgação).

Protagonizado por Ricardo Darín, este drama familiar teve cenas rodadas na Patagônia (Foto: Divulgação).

O peso da morte do irmão caçula está na atuação de Darín que reflete o quanto esse fardo o angustia. Já Sbaraglia apresenta Marcos com marcas do passado, mas urgência em resolver as questões econômicas da família, incluindo os cuidados com a irmã internada e a mulher que está grávida. Ele parece querer fugir das lembranças que o olhar dolorido do irmão insiste em reconstituir. Laia Costa é a esposa bem mais jovem, com senso prático que tenta funcionar como uma ponte entre os dois irmãos. É sua Laura que vai fazer as conexões necessárias ao andamento da trama se tornando a verdadeira protagonista e tal qual numa teia hitchcockiana, a expectativa que envolve a tensão entre os personagens é o mais interessante.

Filmado na Patagônia e Andorra, a neve do ambiente encobre e congela o passado dos personagens que a dor e a ambição começam a derreter. Apesar de uma ou outra solução fácil, o filme de Hodara consegue um desfecho digno para um filme de mistério.

Avaliação Ana Rodrigues

Nota 3