O Despertar da Primavera volta mais relevante dez anos depois

O musical que foi um fenômeno em 2009 brilha e prova ser eterno

por

05 de dezembro de 2019

ODESPERTARDAPRIMAVERA0013c8af18a-a3f9-47db-bc4b-f4152eb000c9

No ano de 2009, a dupla Charles Möeller e Cláudio Botelho estreava nos palcos cariocas o musical “O Despertar da Primavera”. O espetáculo revelou diversos jovens talentos, como Leticia Colin, Malu Rodrigues, Laura Lobo, Rodrigo Pandolfo, Pierre Baitelli, Felipe De Carolis, Eline Porto e Lua Blanco. Embora muitos acreditassem que Möeller e Botelho estivessem adaptando o clássico texto de Frank Wedekind, a realidade era outra. A dupla trazia para o Brasil a montagem da Broadway, que havia estreado em 2006, e criada por Steven Sater e Duncan Sheik. O grande diferencial é que a montagem brasileira conseguiu autorização para ser a primeira non-replica da Broadway, ou seja, havia liberdade de criação e permitiu uma nova concepção artística que tornou “O Despertar” em um sucesso e um marco da história do teatro musical brasileiro. Comemorando os dez anos da estreia, a dupla brasileira resolveu realizar uma nova montagem e que mantém o mesmo frescor, brilho e talentos jovens – como há uma década atrás.

A eletrizante versão da Broadway, um musical de rock vencedor de oito prêmios Tony, valorizou ainda mais o texto do dramaturgo alemão Frank Wedekind, um dos precursores do movimento expressionista, que aborda o universo de um grupo de adolescentes que vivenciam situações de descoberta pessoal, despertar sexual e opressão, entre outras questões.

“Foi um fato inédito montarmos uma produção tão recente da Broadway com a autorização para uma direção autoral. Geralmente, os espetáculos de grande sucesso levam muitos anos para que comecem a ser ‘licenciados’ pelos autores sem a obrigatoriedade da cópia. Tive total liberdade para a tradução dos textos e as versões das canções”, revelou Claudio.

“Eu já era muito apaixonado pela peça, antes mesmo de virar um musical. Várias vezes, em adaptações para musicais, perde-se a força do texto, mas o caso do ‘Despertar da Primavera’ é uma coisa raríssima, pois o musical consegue ser ainda mais contundente do que o original”, afirmou Charles.

ODESPERTARDAPRIMAVERA003f28f01f7-9608-494e-ae45-e46620a45d23O texto é progressista, expressa o desejo dos jovens de estudarem numa escola onde meninos e meninas dividam o mesmo espaço e diversas outras referências. “A união do rock com um texto de 1891 foi um escândalo. É diferente de tudo o que vinha rolando nos Estados Unidos nos últimos anos, absolutamente vanguardista”, declara o diretor Claudio Botelho. “A grande sacada é colocar a música de hoje relacionada aos jovens daquela época. Seus gritos e buscas permanecem os mesmos. O tempo passou, mas a essência do homem se mantém oprimida muitas vezes, especialmente diante da família, da Igreja e do Estado”, afirma o diretor Charles Möeller.

‘O Despertar da Primavera’ se passa na Alemanha no final do século XIX e conta a história de Melchior e Wendla. Ele, um jovem brilhante e rebelde que ousa questionar os dogmas vigentes. Ela, integrante de uma família de classe média alta, educada por uma mãe com rígidos princípios morais e religiosos. O encontro dos dois irá provocar a explosão do desejo, da vontade de conhecer o sexo e o amor. A história deles se cruza com a de vários outros jovens, como o oprimido e trágico Moritz ou a bela Ilse, que tem a coragem de usufruir de sua liberdade e se aventurar pelo mundo. Todos precisam enfrentar o peso da repressão e do conservadorismo, nos mais diversos estágios da sociedade. Questões como abuso sexual, violência doméstica, gravidez na adolescência, suicídio e homossexualidade, entre outros, vêm à tona na vida desses jovens.
ODESPERTARDAPRIMAVERA00205f39e6f-34c3-404e-a526-7569cb141d47A peça original denunciava os preconceitos e o conservadorismo das três principais instituições que regem a educação do homem: a família, a igreja e a escola. É considerada um dos precursores do expressionismo, movimento artístico que se caracterizou por uma oposição ao naturalismo. O teatro expressionista é anti-realista, se utilizando, quase sempre, de uma dramaturgia combativa com ênfase nos conflitos sociais e de um estilo de cenografia que optava pela fantasia, com espaços que não são mero fundo para a ação teatral, mas interagem e atuam como um novo personagem.

O original de Wedekind causou imensa polêmica na época de seu lançamento por tocar em tabus e levantar a bandeira da liberdade, questionando a repressão tanto no seio da família quanto no sistema de ensino alemão. Sem encontrar editores que bancassem o projeto, o próprio autor financiou a publicação, em edição limitada. A primeira montagem foi apenas em 1906, tendo o jovem Peter Lorre no papel de Moritz e Lotte Lenya como Ilse, mas logo o espetáculo foi proibido e, em 1908, foi vetada qualquer manifestação sobre ‘O Despertar’, com punições que poderiam levar os infratores para a prisão.

Em 1912, Wedekind conseguiu novamente montar o texto na Inglaterra, mas somente em alemão e com portas fechadas.  Nos Estados Unidos, a autorização para uma versão em inglês foi obtida apenas em 1917, mas um dia antes da estreia, em Nova York, o espetáculo foi novamente vetado. Com a mobilização da classe artística local, foi possível uma única apresentação. No ano seguinte, Wedekind faleceu e não pôde assistir ao renascimento da sua peça, que, com o apogeu do nazismo, ficou esquecida durante anos.

A filha de Wedekind, Kadidja, se exilou na América e conseguiu montar o espetáculo na Universidade de Chicago, em 1958. Logo, ‘O Despertar da Primavera’ se tornou obrigatório nas escolas norte-americanas e virou um hino entre os jovens, com uma série de encenações ao redor do mundo.

Em cartaz no Theatro Net Rio, O Despertar da Primavera, é um espetáculo fundamental, necessária, reflexivo e que vai na lembrança do público por muitos e muitos anos.  Sem falsos moralismos, com uma impecável trilha sonora, um elenco vigoroso, uma montagem eletrizante e uma mensagem potente, o musical continua sendo uma das obras mais relevantes no teatro brasileiro.

O elenco jovem reúne atores-cantores entre 18 e 25 anos, oriundos de diversos estados brasileiros, como Rio de Janeiro, São Paulo, Pernambuco, Minas Gerais, Ceará, Bahia e Paraná.
ODESPERTARDAPRIMAVERA004eadc96c4-140b-4ed8-b4a4-693fb362fa56É um grupo muito jovem. Muitos dos selecionados têm pouca experiência. Achei muito bonito ver um elenco se formando por pessoas do Brasil inteiro. Isso não foi um critério nosso, e sim fruto de uma sincronicidade. A maioria das pessoas eu não conheço. É um risco estimulante, o que me dá o eterno e novo do Despertar. Tô muito feliz“, afirma o diretor Charles Moeller.

No momento sou a pessoa mais feliz e agradecida de todas as primaveras! Ter a oportunidade de fazer meu personagem favorito, do meu musical favorito, do meu texto favorito, vale mais do que todas as frases sem falar já imaginadas. Não tem tristeza que me abale nesse momento“, diz Rafael Telles, que dará vida ao protagonista Melchior Gabor.
ODESPERTARDAPRIMAVERA005dan_coelho-despertar011Contar a história de uma personagem como a Wendla é um sonho se tornando realidade. Não vejo a hora de poder compartilhar a profundidade dela e dessa peça tão incrível. Estou muito feliz de poder trabalhar com pessoas tão talentosas, generosas e profissionais! Acredito que vai ser um processo lindo e de muito crescimento para todos“, afirma Tabatha Almeida, que, como já revelou, será a intérprete de Wendla Bergmann.

Maria Brasil, que desempenhará o papel de Ilse, destaca que participar do ‘Despertar’ será transformador em todos os sentidos: “A conexão com esse musical, com essa personagem, tudo isso vai despertar muita coisa bonita. Não poderia deixar de falar como Charles Möeller entrou na minha vida e confiou em mim de um jeito que nunca vou esquecer! Foi um encontro muito especial. Obrigada por toda confiança e toda dedicação nesse processo, que já está sendo muito incrível“.

Já os papéis adultos do espetáculo serão interpretados por Bel Kutner e Augusto Zacchi.

Se você viu a primeira versão, vale rever essa. Se ainda não viu, corra que a temporada carioca é curta. Em 2020 o Despertar da Primavera será montado em SP, mas ainda sem local definido.

O DESPERTAR DA PRIMAVERA

 

 

ONDE: Theatro Net – Rua Siqueira Campos, 143 – 2º Piso, Copacabana – Rio de Janeiro. (Tel.: 21 2147-8060)

QUANDO: Sexta 20h, sábado 19h, domingo 19h (até 22 de dezembro)

QUANTO: A Partir de R$ 25.

Classificação etária: 16 anos.
Duração: 120 minutos.


Warning: Invalid argument supplied for foreach() in /home/almanaquevirtual/www/wp-content/themes/almanaque/single.php on line 52