‘Paris Pode Esperar’

Dirigida por Eleanor Coppola, esta comédia-romântica entra em cartaz nesta quinta-feira, dia 08.

por

07 de junho de 2017

Road movie romântico-gastronômico, “Paris Pode Esperar” é o primeiro longa de ficção de Eleanor Coppola. Aos 81 anos, um casamento de 54 até hoje com o grande diretor Francis Ford Coppola e três filhos, ela acompanhou de perto a carreira do marido e da filha Sofia. Eleanor já havia dirigido alguns curtas e documentários ligados ao trabalho da família. Agora, ela escreve e dirige, uma trama que ocorre no próprio cenário que faz parte da sua vida: o mundo do cinema.

Alec Baldwin, Diane Lane e Arnaud Viard em cena (Foto: Divulgação).

Alec Baldwin, Diane Lane e Arnaud Viard em cena (Foto: Divulgação).

Filmado em Cannes e na região da Provença, onde estão lindas plantações de lavanda, o longa retrata Anne, casada há muitos anos com um ocupadíssimo produtor de sucesso, ela faz uma viagem de carro entre Cannes e Paris com um sócio do marido. A história tem muitas semelhanças com uma situação ocorrida com a própria Eleanor, no festival de Cannes de 2009, quando ficou gripada e acabou seguindo para a capital francesa de carro com um amigo de Francis.

No longa, Anne está no Peugeot 504 do charmoso Jacques que, tal qual uma sereia de Ulysses, prolonga o caminho pela estrada e os tempos de paradas em lugares encantadores e restaurantes, desfrutando do melhor cardápio. Na trama, tudo funciona numa boa conversa com revelações e fina sedução. Anne tem um marido ocupado e apesar do amor persistir na longa duração do casamento, o relacionamento já caiu numa certa acomodação. Jacques oferece uma viagem de prazeres. Ela, se dedica a fotografar detalhes de tudo que encontra de novo na trip e aproveita o tempo prolongado na estrada e a companhia, para fazer uma reflexão pessoal. As fotografias são os detalhes da vida que ficou em segundo plano diante de um marido que era a prioridade.

Diane Lane, rainha das comédias românticas maduras, e Arnaud Viard garantem, na simpática parceria, o interesse na trama sem grandes surpresas. Alec Baldwin, sempre competente, participa como o marido ocupado. Com três atores em forma, a história, principalmente de Anne, poderia ter ido além. Na encruzilhada da vida, sempre queremos ver mais dos personagens, mais dilemas, reviravoltas. “Paris Pode Esperar” fica apenas como uma agradável viagem de gente fina, elegante e sincera.

Avaliação Ana Rodrigues

Nota 3