Paro Quando Quero

Breaking Bad spaghetti diverte com crítica social à economia italiana

por

09 de março de 2017

Lançado em 2014, “Paro quando quero”, longa de estreia do italiano Sydney Sibilia, não esconde suas influências. Baseado abertamente no fenômeno televisivo “Breaking bad”, o filme conta a história de um professor de química que, à beira do desemprego e passando por sérias necessidades financeiras, decide se unir a um seleto grupo de amigos, todos com invejável titulação acadêmica, para venderem drogas nas boates italianas e, dessa forma, descolarem um trocado.

Paro Quando Quero

Paro Quando Quero

Assim como em sua fonte de inspiração, os traficantes novatos logo ficam famosos pela pureza e qualidade do seu produto, despertando a atenção das autoridades e os interesses financeiros de seus concorrentes. A reboque, uma vida de luxos nunca experimentados antes transforma a realidade dos personagens. Sibilia, porém, toma o cuidado de não soar como uma mera cópia do seriado, dando a “Smetto quando voglio” (no original) o tom spaghetti que a filmografia italiana tanto admira. A trama é permeada de vários momentos cômicos, que, se não são hilariantes, provocam o riso sincero em razão do absurdo ou da ironia que as situações envolvem. Por sua vez, o tom lisérgico das imagens e o habilidoso uso das cores (especialmente o verde e o azul, praticamente marcas registradas de “Breaking bad”), conferem à obra identidade visual marcante e condizente com o roteiro leve e divertido que se desenrola na tela.

Paro Quando Quero

Paro Quando Quero

De tudo, porém, o mais importante é o subtexto de “Paro quando quero”, carregado de crítica social ao delicado cenário econômico da Itália, cujos reflexos já começam a chamar a atenção da União Europeia, recém-saída de um momento de dificuldade, e que já começa a temer o início de um novo ciclo a partir da região da bota.

Paro Quando Quero

Paro Quando Quero

Em um cenário tão preocupante, o filme de Sydney Sibilia tem o mérito de trazer algum alívio cômico para as telas. Não à toa, “Paro quando quero” já emplacou uma sequência, em fase final de produção.

Avaliação Celso Rodrigues Ferreira Junior

Nota 3