À Procura

por

04 de dezembro de 2014

Hitcock, em sua famosa entrevista para Truffaut, explica a diferença entre mistério e suspense. Enquanto no mistério, as informações são omitidas da plateia, só sendo reveladas no último momento, no suspense, as informações são passadas ao espectador, mas desconhecidas pelos personagens. Por essas definições, podemos dizer que “À Procura”, novo filme do diretor Atom Egoyan, é um autêntico suspense.

the-captive02

O filme conta a história de uma garota sequestrada e mantida durante anos em um cativeiro. Mesmo com o avançar do tempo, seus pais e a polícia continuam à sua procura – como ilustra o título brasileiro. Logo no início do filme, quando conhecemos o sequestrador e vemos a garota capturada, estamos recebendo uma informação desconhecida por quase todos os outros personagens. E o suspense está criado.

Ryan Reynolds in The Captive

Egoyan referencia Hitcock em outros momentos, como em uma perseguição de carro filmada de modo semelhante ao que costumava fazer o mestre do suspense. Mas o diretor canadense tem sua própria assinatura e já havia provado ser competente. Nenhuma tomada ou ângulo de sua câmera é gratuito, produzindo cenas que falam pelo seu tom frio ou escuro, sem a necessidade de diálogos ricos. É por meio da sutileza que ele consegue se aprofundar em seus personagens. Desse modo, entendemos as motivações de todos os personagens, inclusive as do sequestrador.

Captives-5

Vale uma observação que, apesar do título brasileiro fazer sentido literal e metafórico – já que todos os personagens estão em busca de algo, seja redenção ou sentido para a vida – o título original em francês “Captives” trás uma outra visão, com todos os personagens presos ao passado, a uma obsessão, à manipulação ou simplesmente a um sequestrador. Algo semelhante foi feito em 2013, quando o filme de Denis Villeneuve chegou ao Brasil com o título “Os Suspeitos” ao invés do original “Prisoners”.

maxresdefault

“À Procura” traz ainda Ryan Reynolds voltando a sua terra natal para tentar reestruturar a sua carreira com um filme mais artístico que os seus últimos. Uma decisão acertada, já que temos aqui o seu melhor filme em anos.

 

 

À Procura (Captives)

Canadá, 2014. 113 min.

De Atom Egoyan

Com Ryan Reynolds, Rosário Dawson, Kevin Durand, Alexia Fast

Avaliação Gabriel Gaspar

Nota 4