Queens of the Stone Age toca rock mais experiente

Nudez parace acompanhar o grupo, desta vez na plateia

por

25 de setembro de 2015

Talvez tenha sido surpresa para o público ou não, mas o grupo Queens of The Stone Age que já havia tocado no RIR 2001, popularizado pela prisão do baixista Oliveri na época por atentado ao pudor quando tocou nu, mas o fato é que a banda voltou muito mais madura e sofisticada, mesmo com um som predominantemente ainda mais pesado.

Tocando muito de seu último album de inéditas “Like Clockwork” de 2013, onde seu vocalista/compositor e único remanescente fundador da banda Josh Homme acalmou um pouco do peso das músicas e teve participação de Elton John, até que a banda escolheu exemplares mais pesados para o RIR 2015, mas praticamente não tocou nada dos primeiros álbuns, num tom menos anárquico e punk que o do show de 2001. Claro que não faltaram alguns de seus maiores hits como “No one Knows” (tornada mundialmente famosa pela parceria na bateria de Dave Grohl dos Foo Fighters ex-Nirvana) e “Little Sister”, entoados por todos que chegaram a cantar até as partes tocadas pela guitarra. A emoção de alguns fãs foi tanta que houve até uma mulher que fez topless, talvez em homenagem à nudez do baixista de 2001, mas que na plateia foi recebida de forma evidentemente machista e desnecessária pois vários homens ao redor ficaram apalpando seus seios, mesmo que ela combatesse (onde estão os shows de antigamente que toda mulher botava os seios à mostra e isso não queria dizer que desejava ser apalpada?).

Por fim, um show muito mais erudito talvez direcionado para o lado mais crítico do rock, e não necessariamente para quem apenas quisesse diversão no Parque dos Atletas.