Rock in Rio 2017: balanço do terceiro dia

O Rock in Rio volta na próxima quinta-feira, dia 21, para mais uma maratona de shows.

por

18 de setembro de 2017

Com uma Cidade do Rock não muito cheia, o terceiro dia do Rock in Rio 2017 teve como principal atração um velho conhecido do festival: Justin Timberlake, que subiu ao Palco Mundo pela terceira vez – a primeira em 2001 com o N’Sync e a segunda, já em carreira solo, em 2013.

Justin Timberlake encerrou a noite de domingo no Palco Mundo (Foto: Divulgação - Rock in Rio / Crédito: Fernando Schlaepfer – I Hate Flash).

Justin Timberlake encerrou a noite de domingo no Palco Mundo (Foto: Divulgação – Rock in Rio / Crédito: Fernando Schlaepfer – I Hate Flash).

O cantor ofereceu um espetáculo recheado de sucessos e caiu nas graças do público que o aguardava desde cedo. Mas foi próximo ao final que Timberlake obteve a melhor resposta ao tocar os sucessos “Sexy Back”, “Mirrors” e “Can’t Stop The Feeling”, da animação “Trolls” (Idem – 2016) e indicada ao Oscar de melhor canção original, que colocou a Cidade do Rock para dançar e cantar em uníssono.

Justin Timberlake subiu ao palco após Alicia Keys, Walk the Moon e Frejat, outro veterano do Rock in Rio que agitou o festival com grandes clássicos do rock nacional, como “Pro Dia Nascer Feliz” e “Bete Balanço”, sucessos absolutos desde a primeira edição realizada em 1985.

No entanto, para muitos dos presentes, e também dos telespectadores, o show de Nile Rodgers & Chic no Palco Sunset é considerado o melhor deste primeiro final de semana de festival. Foi uma apresentação que levou o público à loucura, colocando-o para cantar e dançar do início ao fim. “Que show sensacional! Confesso que não conhecia e fui surpreendido. Isso é música de verdade. Uma delícia celebrar a black music”, vibrou o advogado Thiago Leotério, de Belo Horizonte. Nile Rodgers & Chic subiram ao palco após Maria Rita e Melody Gardot; Joohny Hooker, Liniker e Almério; e dos portugueses HMB, Virgul e o rapper Carlão.

O show de Nile Rodgers & Chic é considerado o melhor do festival por parte do público (Foto: Divulgação - Rock in Rio / Crédito: Cintia Orth – Estácio).

O show de Nile Rodgers & Chic é considerado o melhor do festival por parte do público (Foto: Divulgação – Rock in Rio / Crédito: Cintia Orth – Estácio).

Outra atração que merece destaque é a Rock Street África, não somente pela beleza, mas pela qualidade da música oferecida em uma das áreas mais populares da Cidade do Rock, de responsabilidade das bandas africanas Les Tambours du Brazza, Tyous Gnaoua e Freddy Massamba, principal nome da Street. O mesmo acontece com o Rock District, que teve apresentações da Banda The Silva’s, Liminha, João Barone, Dé Palmeira e Toni Platão.

Com pessoas de vários estados e países, o primeiro final de semana do Rock in Rio 2017 foi marcado não apenas pela celebração à música, mas pela diversidade, tolerância e protestos contra o atual governo, tanto nos palcos quanto na plateia. Um dos pontos que deve ser destacado é o pleno funcionamento da Cidade do Rock, com menos filas nos bares e banheiros e agendamento para cada brinquedo disponibilizado no espaço que é o templo mundial da música até o próximo domingo.

Na próxima quinta-feira, dia 21, o Rock in Rio volta com todos os seus espaços preparados para uma maratona completamente dedicada ao rock, tendo como headliners Aerosmith, Bom Jovi, Guns n’ Roses e Red Hot Chili Peppers, além do primeiro show do The Who em terras cariocas.