O Monstro de Mil Cabeças

Denúncia aberta à incompetência dos sistemas de saúde que só visam lucros e estatísticas

por

04 de agosto de 2016

Filme de abertura da mostra Horizontes no Festival de Veneza, “O Monstro de Mil Cabeças” (Un Muonstro de mil cabezas no original) narra a história de Sonia Bonet, uma mulher desesperada, enfrentando a burocracia do seguro de saúde para conseguir tratamento para o seu marido, em estado terminal de câncer.  Acompanhada de seu filho, Sonia tem um verdadeiro dia de fúria ao se deparar com os demorados trâmites que emperram o atendimento dos engessados modelos das grandes corporações.  A irritante dependência de senhas, assinaturas, cartões e telefonemas fazem com que Sonia tome providências extremas culminando em violência e tragédia.

SI01

Aqui a preocupação com o realismo é puramente relativo, pois o foco é a inoperância dos sistemas sociais e a impotência do individuo comum frente às grandes corporações. O filme faz uma denúncia aberta à incompetência dos seguros de saúde e de seus integrantes que só visam lucros e estatísticas. O diretor uruguaio Rodrigo Plá conserva a narrativa de maneira convencional, mas faz uma interessante brincadeira com a utilização do som que de vez em quando se interpõe como um narrador de um acontecimento futuro, traçando um paralelo com os códigos narrativos.  A fotografia carrega nos tons sépias ora claros, ora escurecidos, tonalidades que vão do desespero ao cansaço culminando no medo, abordagem primordial para a definição dos personagens.

SI04

A ironia dramática fica por conta do título que, felizmente foi rebatizado pelo original (o filme foi exibido no Festival do Rio com o título “Sociedade Indiferente”).  O tal “monstro de mil cabeças” são as ramificações de um ridículo sistema administrativo que se alimenta de um esquema de corrupção transformando-se em uma besta cega, surda e muda aos apelos das verdadeiras necessidades humanas.

Festival do Rio 2015 – Premiere Latina

 

Sociedade Indiferente (Un Muonstro de mil cabezas)

México, 2015. 74 min.

Direção: Rodrigo Plá

Com: Jana Rauly, Hugo Albores, Emilio Echevarria, Sebastian Aguirre

Avaliação Zeca Seabra

Nota 4