Sucesso do Cinema Brasileiro 2016

Será que o sucesso mundo afora do cinema brasileiro está recebendo o devido reconhecimento do mercado interno?

por

13 de dezembro de 2016

INACREDITÁVEL o apagamento histórico brasileiro interno este ano do nosso Cinema e mais especificamente deste filme cada vez mais premiado mundialmente: Aquarius. Independentemente do que os brasileiros acharam dele ou não, idolatrem ou odeiem ou sejam indiferentes, há de se ter a humildade em admitir que o mundo viu algo nele que prescinde da associação política que tanto o estigmatizou aqui e impediu muitos de verem as qualidades artísticas dele e da fila de filmes de sucesso este ano que ele traz consigo.
O fato é que o crivo interno não refletiu, intencionalmente ou não, o enorme sucesso do nosso cinema este ano, que gerou o maior número de filmes brasileiros distribuídos em circuito comercial da HISTÓRIA do nosso cinema, e com o acúmulo de alguns dos maiores prêmios do mundo que o Brasil não recebe desde Cidade de Deus, Central do Brasil e o do Cinema Novo. Vamos dar o devido reconhecimento, em uma lista não exaustiva de destaques, PROCUREM E CONHEÇAM E SE FARTEM:

E não é só Aquarius do Kleber Mendonça Filho
É Boi Neon de Gabriel Mascaro
Mate-me por favor de Anita Rocha da Silveira
Mãe Só Há Uma de Anna Muylaert
Para Minha Amada Morta de Aly Muritiba
Clarisse ou Alguma Coisa Sobre Nós Dois de Petrus Cariry
Ela Volta na Quinta de André Novais Oliveira
Cinema Novo (o doc, não o movimento) de Eryk Rocha
Era o Hotel Cambridge de Eliane Caffé
Campo Grande de Sandra Kogut
Nise O Coração da Loucura de Roberto Berliner
Ralé de Helena Ignez
Guerra do Paraguay de Luiz Rosemberg Filho
Menino 23 – Infâncias Perdidas de Belisario Franca
BR 716 de Domingos Oliveira
Elis de Hugo Prata
O Silêncio do Céu de Marco Dutra
Sinfonia da Necrópole de Juliana Rojas
A Vizinhança do Tigre de Affonso Uchoa
Martírio de Vincent Carelli, Ernesto Carvalho e Tita
A Despedida de Marcelo Galvão
Ponto Zero de José Pedro Goulart
O Roubo da Taça de Caito Ortiz
Mais Forte que o Mundo – A História de José Aldo de Afonso Poyart
Meu Nome é Jacque de Angela Zoe
Trago Comigo de Tata Amaral
Em Três Atos de Lucia Murat
Vida de Rainha de Luciana Avellar
Brasil S/A de Marcelo Pedroso
A Casa de Cecilia de Clarissa Appelt
A Frente Fria Que a Chuva Traz de Nevile D’Almeida
A Luneta do Tempo de Alceu Valença
Quase Memória de Ruy Guerra
Chico – Artista Brasileiro de Miguel Faria Jr
A Bruta Flor do Querer de Dida Andrade e Andradina Azevedo
Um Filme Francês de Cavi Borges

Isso sem falar nos curtas e médias…que inclusive podem chegar a ser indicados no Oscar 2017 como o curta de animação “Projeto do meu Pai” de Rosária, ganhador do Animamundi 2016.