Vamos relembrar os representantes do Brasil no Oscar

Vamos dar uma volta pelo túnel do tempo à luz do novo representante brasileiro pro Oscar, "Babenco - Alguém tem que ouvir o coração e dizer: parou

por

22 de novembro de 2020

Eis que o escolhido para representar o Brasil no Oscar 2021 na categoria de melhor filme internacional, também vencedor ano passado do prêmio de direção no Festival de Veneza, “Babenco – Alguém tem que ouvir o coração e dizer: parou” de Bárbara Paz acaba vencendo também outro estigma de preconceito no nosso país, pelo fato de ser apenas a quarta obra dirigida por uma diretora mulher a ser selecionada em 60 anos desde a primeira tentativa brasileira. As outras foram Suzana Amaral com “A Hora da Estrela” em 1986; Kátia Lund por “Cidade de Deus” em 2003, codirigido por Fernando Meirelles; e Anna Muylaert por “Que Horas Ela Volta?” em 2016. E, ainda por cima, é o primeiro documentário a nos representar num gênero tão forte no Brasil, mesmo diante de um longo monopólio do cinema de ficção.

Vale ressaltar para aqueles que estão se perguntando onde “Bacurau” se encaixa nisso que, tendo já sido preterido nesta mesma categoria ano passado perante a escolha brasileira por “A Vida Invisível” de Karim Aïnouz para nos representar, o novo Cult de Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles estreou em território norte-americano para tentar indicações nas demais categorias, como “Cidade de Deus” fez em 2004 ao ser indicado como melhor direção, fotografia, montagem e roteiro adaptado.

Vamos conferir uma lista com todos os escolhidos como representantes brasileiros ao longo de 60 anos, desde a primeira vez em que um longa foi selecionado para representar o Brasil no Oscar em 1961. Sendo que vale menção de que em 1960 o ganhador do Oscar foi a produção ítalo-franco-brasileira “Orfeu Negro” de Marcel Camus, mas que configurou como vitória para a França, por seu diretor e pela representação majoritária da produção, mesmo que adaptado de obra de Vinícius de Moraes e com grande elenco brasileiro, filmados em território do Brasil e boa parte em língua portuguesa. E vale ressaltar também que nossa primeira indicação representando o Brasil de fato foi “O Pagador de Promessas” de Anselmo Duarte, primeiro e único filme brasileiro também a ganhar a Palma de Ouro em Cannes (até agora).

Durante muitos anos, o representante brasileiro foi escolhido pela Embrafilme (Empresa Brasileira de Filmes), e, depois, com sua extinção em 1990 pelo então presidente Fernando Collor de Mello. Depois disso, o filme passou a ser escolhido por comissão independente por anos a fio. E, finalmente, já sem qualquer ingerência do governo ou do ora extinto Ministério da Cultura, hoje passou a ser selecionado por uma comissão montada pela Academia Brasileira de Cinema (ABC).

Ano
(Cerimônia)
TítuloDiretorLíngua (s)ResultadoRef.
1961
(33.ª edição)
A Morte Comanda o CangaçoCarlos Coimbra
Walter Guimarães Motta
PortuguêsNão Indicado[4]
1963
(35.ª edição)
O Pagador de PromessasAnselmo DuartePortuguêsIndicado[4][6]
1965
(37.ª edição)
Deus e o Diabo na Terra do SolGlauber RochaPortuguêsNão Indicado[4]
1966
(38.ª edição)
São Paulo, Sociedade AnônimaLuís Sérgio PersonPortuguêsNão Indicado[4]
1968
(40.ª edição)
O Caso dos Irmãos NavesLuís Sérgio PersonPortuguêsNão Indicado[4]
1969
(41.ª edição)
As AmorosasWalter Hugo KhouriPortuguêsNão Indicado[4]
1970
(42.ª edição)
O Dragão da Maldade contra o Santo GuerreiroGlauber RochaPortuguêsNão Indicado[4]
1971
(43.ª edição)
Pecado MortalMiguel Faria Jr.PortuguêsNão Indicado[4]
1972
(44.ª edição)
Pra Quem Fica, TchauReginaldo FariaPortuguêsNão Indicado[4]
1973
(45.ª edição)
Como Era Gostoso o Meu FrancêsNelson Pereira dos SantosPortuguês
Francês
Tupi
Não Indicado[4]
1974
(46.ª edição)
A Faca e o RioGeorge SluizerPortuguêsNão Indicado[4]
1975
(47.ª edição)
A Noite do EspantalhoSérgio RicardoPortuguêsNão Indicado[4]
1976
(48.ª edição)
O Amuleto de OgumNélson Pereira dos SantosPortuguêsNão Indicado[4]
1977
(49.ª edição)
Xica da SilvaCacá DieguesPortuguêsNão Indicado[4]
1978
(50.ª edição)
Tenda dos MilagresNélson Pereira dos SantosPortuguêsNão Indicado[4]
1979
(51.ª edição)
A Lira do DelírioWalter Lima Jr.PortuguêsNão Indicado[4]
1980
(52.ª edição)
Bye Bye BrasilCacá DieguesPortuguêsNão Indicado[4]
1981
(53.ª edição)
Pixote, a Lei do Mais FracoHector BabencoPortuguêsDesclassificado[7]
1984
(56.ª edição)
Memórias do CárcereNelson Pereira dos SantosPortuguêsNão Indicado[4]
1986
(58.ª edição)
A Hora da EstrelaSuzana AmaralPortuguêsNão Indicado[4][16]
1987
(59.ª edição)
Um Trem para as EstrelasCacá DieguesPortuguêsNão Indicado[4][16]
1988
(60.ª edição)
Romance da EmpregadaBruno BarretoPortuguêsNão Indicado[4][16]
1989
(61.ª edição)
Dias Melhores VirãoCacá DieguesPortuguêsNão Indicado[4][16]
1991
(63.ª edição)
A Grande ArteWalter SallesPortuguês
Inglês
Espanhol
Não Indicado[16]
1996
(68.ª edição)
O QuatrilhoFábio BarretoPortuguês
Vêneto (Talian)
Indicado[4][9][16]
1997
(69.ª edição)
Tieta do AgresteCacá DieguesPortuguêsNão Indicado[4][16]
1998
(70.ª edição)
O Que É Isso, Companheiro?Bruno BarretoPortuguês
Inglês
Indicado[4][11][16]
1999
(71.ª edição)
Central do Brasil[nota 1]Walter SallesPortuguêsIndicado[4][13][16]
2000
(72.ª edição)
OrfeuCacá DieguesPortuguêsNão Indicado[4][16]
2001
(73.ª edição)
Eu, Tu, ElesAndrucha WaddingtonPortuguêsNão Indicado[4][16]
2002
(74.ª edição)
Abril DespedaçadoWalter SallesPortuguêsNão Indicado[4][16]
2003
(75.ª edição)
Cidade de Deus[nota 2]Fernando MeirellesPortuguêsNão Indicado[4][16]
2004
(76.ª edição)
CarandiruHector BabencoPortuguêsNão Indicado[4][16]
2005
(77.ª edição)
OlgaJayme MonjardimPortuguês
Alemão
Não Indicado[4]
2006
(78.ª edição)
2 Filhos de FranciscoBreno SilveiraPortuguêsNão Indicado[4][16]
2007
(79.ª edição)
Cinema, Aspirinas e UrubusMarcelo GomesPortuguêsNão Indicado[4][16]
2008
(80.ª edição)
O Ano em Que Meus Pais Saíram de FériasCao HamburgerPortuguês
Iídiche
Pré-Indicado[4][15][16]
2009
(81.ª edição)
Última Parada 174Bruno BarretoPortuguêsNão Indicado[4][16]
2010
(82.ª edição)
Salve GeralSérgio RezendePortuguêsNão Indicado[4][16]
2011
(83.ª edição)
Lula, o Filho do BrasilFábio BarretoPortuguêsNão Indicado[4][16]
2012
(84.ª edição)
Tropa de Elite 2: o Inimigo agora É OutroJosé PadilhaPortuguêsNão Indicado[4][16]
2013
(85.ª edição)
O PalhaçoSelton MelloPortuguêsNão Indicado[4][16]
2014
(86.ª edição)
O Som Ao RedorKleber Mendonça FilhoPortuguêsNão Indicado[4][16]
2015
(87.ª edição)
Hoje Eu Quero Voltar SozinhoDaniel RibeiroPortuguêsNão Indicado[4][16]
2016
(88.ª edição)
Que Horas Ela Volta?Anna MuylaertPortuguêsNão Indicado[4][16]
2017
(89.ª edição)
Pequeno SegredoDavid SchürmannPortuguês
Inglês
Não Indicado[4]
2018
(90.ª edição)
Bingo: O Rei das ManhãsDaniel RezendePortuguês
Inglês
Não Indicado[20]
2019
(91.ª edição)
O Grande Circo MísticoCacá DieguesPortuguêsNão Indicado[21]
2020
(92.ª edição)
A Vida InvisívelKarim AïnouzPortuguêsNão Indicado[22]
2021
(93.ª edição)
Babenco – Alguém Tem que Ouvir o Coração e Dizer: ParouBárbara PazPortuguêsPendente[23]

*Tabela composta por pesquisa no IMDB, nos sites Filme B e Adoro Cinema e na wikipédia.