Ventos de Agosto

por

09 de janeiro de 2015

Cinco estrelas naturalistas.

– Tem alguém aí?
– Tem não.
– A polícia quando volta?
– Sei não.
– E o que você está fazendo aí?
– Fui preso por engano.

Cinemascope-Ventos-de-Agosto-4

Fora de contexto, o diálogo acima, extraído de uma cena de “Ventos de Agosto”, pode não parecer tão engraçado. No entanto, transcorrido de forma natural, travado por não-atores e com o sotaque carregado do litoral de Alagoas, provoca o riso espontâneo do público. E este não é o único momento assim no filme de apenas 77 minutos, primeiro longa-metragem de ficção do diretor pernambucano Gabriel Macaro.

Cinemascope-Ventos-de-Agosto-1

Com um enredo bastante simples, que acompanha o dia a dia dos habitantes de uma pequena vila de pescadores esquecida por Deus e distante da civilização, “Ventos de Agosto” é um filme para ser sentido e apreciado, tarefa esta que é enormemente facilitada pela paisagem paradisíaca e a fotografia caprichada. Sua simplicidade é tão desconcertante, que chega a evocar semelhanças com a ficção-científica sensação de 2014, “Sob a Pele”. Não é apenas o difícil que confunde e desnorteia, o fácil também embota o pensamento de quem está esperando sempre algo mais.

Cinemascope-Ventos-de-Agosto-6

Ainda dentro desta comparação, a atriz Dandara de Morais (a única profissional do elenco) é uma Scarlett Johansson tupiniquim, cor de café e com beleza igualmente estonteante. Neste “Sob a Pele” naturalista, tal qual sua colega norte-americana, ela dá vida a uma personagem, Shirley, uma jovem obrigada pela mãe a cuidar da avó, de pouquíssimas palavras e muita atitude corporal. Seu parceiro de cena, Geová Manoel dos Santos, corresponde à altura. É ele que protagoniza o diálogo descrito acima.

14876827067_807da053b6_k

Lá pelas tantas, um cadáver, meio conservado, meio decomposto, aparece para causar frenesi e alterar a rotina local. Velado por dias a fio, sujeito as intempéries do tempo, é o ápice de um filme (ainda) incomum para os padrões brasileiros e uma metáfora de que há muito cadáver a ser desenterrado até o nosso cinema alcançar o nível da cinematografia de outros países.

Avaliação Bruno Giacobbo

Nota 5