Verão 1993

Universo solar para uma dor profunda

por

07 de dezembro de 2017

O dia no Festival do Rio 2017 começou com um filme belíssimo e duplamente premiado no Festival de Berlim como melhor estreia na direção e melhor filme da Mostra Geração, “Verão 1993” de Carla Simón. Uma belíssima tomada sobre a perda na infância através dos olhos de quem mais sabe: as crianças.estiu1993_f01cor_2017110255

Duas atrizes-mirins inspiradíssimas guiam a trama de modo a jamais serem diminuídas, com câmera baixa sempre para elas serem a referência do tamanho dos objetos em tela, e os adultos serem mais secundários ou cortados pela metade de acordo com a necessidade de suas presenças tomarem ou não o quadro. Filme de época com extrema consciência e inspirado na infância da própria diretora quando perdeu os pais para a Aids no início da década de 90, quando ainda não se sabia quase nada sobre a doença.

3976659.jpg-c_300_300_x-f_jpg-q_x-xxyxx

Sem falar que o elenco é diversificado, contendo de membros da família da diretora, já que a história é bastante real para ela, ou mesmo até artista com nanismo, que em nenhum momento são tratados de forma diferenciada pelo roteiro, e sim com naturalidade que merecem como pessoas que orbitam aquele universo e o filme não se torna sobre isso. Um universo extremamente solar do verão de 1993 para trabalhar uma dor tão profunda que dificilmente consegue desaguar em lágrimas assim como a chuva que não cai facilmente.

O filme estreia dia 07 de dezembro nos cinemas brasileiros.

Festival do Rio 2017 – Première Latina

Verão 1993 (Estiu 1993)

Espanha, 2017. 96 min

De Carla Simón

Com Laia Artigas, Paula Robles, Bruna Cusí