Festival de Cannes 2019: Honoré enfim faz um grande filme

O Festival acontece até o dia 25.

por

20 de maio de 2019

Respeitado no universo da literatura, por romances como “Tout contre Léo” (1995), e elogiado nos palcos em seu trabalho como encenador, Christophe Honoré virou um quindim pra crítica francesa, arrebatando uma legião de fãs, quando lançou o musical “Canções de amor” (2007), aos 37 anos, sendo definido como um herdeiro de Jacques Demy (1931-1990). A comparação com o mestre por trás de “Os guarda-chuvas do amor” (1964) veio pela maneira como ambos redefiniram o uso não realista da música como diálogo, reinventando o lirismo a partir de um diálogo com problemas concretos (e existenciais) do dia a dia. A diferença é que Honoré deu uma mão de tinta a mais nas cores existenciais de seu universo no inédito “Chambre 212”, exibido neste domingo na mostra Un Certain Regard do 72º Festival de Cannes. Agora, aos 49 anos, ele volta às telas sem música, mas carregado de romantismo, naquele que muitas resenhas definem como seu melhor filme. Sua estrela habitual, Chiara Mastroianni tem o melhor desempenho de sua carreira nesta “dramédia” sobre uma mulhere que resolve encerrar 20 anos de casamento indo morar em um hotel, onde observa os passos de seu ex. Mas o querer é um verbo manhoso: algo pode reaproxima-los.
O filme rendeu três vídeos disponibilizados abaixo.

Assista ao primeiro vídeo:

Assista ao segundo vídeo:

Assista ao terceiro vídeo: