Zootopia: Essa Cidade é o Bicho

Nova animação dos Estúdios Disney não se tornou a maior estreia nos EUA à toa

por

20 de março de 2016

A parceria entre a Disney e a Pixar está fazendo muito bem à casa do Mickey. Desde que lançaram seu primeiro filme juntos em 1995, “Toy Story”, as melhores animações da Disney têm vindo desta união das gigantes. A Pixar – conhecida por realizar animações que vão muito além de uma história infantil e possuem diversas camadas mais profundas que conseguem fisgar os adultos – criou ano passado o sucesso “Divertida Mente”, considerada uma animação bastante adulta, que parece ter inspirado a Disney a criar um sucesso próprio que atingisse da mesma forma o público crescido com diversos assuntos que as crianças não entendem. O resultado deste voo solo muito bem sucedido é “Zootopia: Essa Cidade é o Bicho”.

Zootopia é uma metrópole onde vivem animais de todas as espécies, predadores e presas, supostamente em paz. É o que pensava Juddy Hopps, a primeira coelha a integrar a equipe policial, até se mudar do interior para a cidade grande. Lá, ela encontra uma polícia formada apenas por animais maiores e mais fortes que ela, um cargo de guarda de trânsito e o raposo trapaceiro Nick Wilde, que a ajuda a desvendar um misterioso caso e a provar o seu valor. Zootopia (no original) é, na verdade, uma metáfora muito bem construída sobre o mito do sonho americano, onde Juddy tem sede de provar o seu valor e de tornar o mundo um lugar melhor. Grandes expectativas que logo desmoronam quando a coelha dá de cara com a dura realidade de uma tão sonhada Zootopia, um lugar democrático onde todos podem ser o que quiserem.

Por meio de uma história aparentemente inocente de animais antropomórficos diferentes que convivem em uma sociedade onde seres humanos não existem, o roteiro de Jared Bush e Phil Johnston (“Detona Ralph”) é instrumento de uma forte crítica social e discussões importantes que estão em pauta, como o feminismo, o preconceito, a segregação e a inclusão. O que se vê na metrópole é uma falsa integração entre os animais com o fim do predadorismo.

No longa dirigido por Byron Howard e Rich Moore, estereótipos de profissões são encarnados de forma irônica pelos animais: há políticos, funcionários públicos, policiais, foras da lei, seguranças, nudistas, entre outros. Além disso, há referências fantásticas ao clássico “O Poderoso Chefão” e à afamada série “Breaking Bad”, que são mais uma forma de manter a atenção dos adultos à tela e fazê-los rir numa trama que não tem o humor como foco, mas que o emprega em momentos pertinentes. Dos mesmos criadores de “Frozen” e “Operação Big Hero”, “Zootopia: Essa Cidade é o Bicho” é aquele tipo de filme que possui clichês já abordados em muitas outras obras (inclusive pela Disney e pela Pixar), porém são muito bem trabalhados para que as principais questões estejam em primeiro plano. É uma animação que consegue ao mesmo tempo conquistar os adultos e agradar as crianças.

 

 

Zootopia: Essa Cidade é o Bicho (Zootopia)

EUA – 2016. 108 minutos.

Direção: Byron Howard e Rich Moore

Com: Ginnifer Goodwin, Jason Bateman, Idris Elba, J.K. Simmons, Kristen Bell, Shakira, Maurice LaMarche, Octavia Spencer e Nate Torrence.

Avaliação Raíssa Rossi

Nota 5